Diretor de Eu, Tonya negocia filmar a vilã Cruella de Vil para a Disney


O cineasta Graig Gillespie, cujo filme mais recente foi “Eu, Tonya” (2017), pode voltar a filmar a história de uma vilã incompreendida. Desta vez, das fábulas da Disney.

Ele abriu negociações para dirigir “Cruella”, uma nova adaptação live action da história dos “101 Dálmatas” centrada na vilã Cruella de Vil.

A personagem se tornou famosa graças ao desenho animado “A Guerra dos Dálmatas” (1961), primeira adaptação do livro infantil de Dodie Smith realizada pela própria Disney, que a introduziu no Brasil com o ótimo nome de Malvina Cruela. Os novos tradutores, porém, abandonaram a denominação na segunda adaptação do estúdio, que mostrou a vilã de carne e osso, vivida por Glenn Close (“Guardiões da Galáxia”). A produção de 1996 também preservou o título original do livro, “101 Dálmatas”, e ainda ganhou continuação em 2000, batizada de “102 Dálmatas”.

O roteiro de “Cruella” foi escrito por Kelly Marcel (“Cinquenta Tons de Cinza”), que retorna ao universo das fábulas da Disney, após assinar “Walt nos Bastidores de Mary Poppins” (2013).



E o papel-título será vivido por Emma Stone (“La La Land”), que encarnará uma Cruella fashionista e punk.

O filme está sendo anunciado como uma história de origem, ambientada no início dos anos 80 com uma vibe punk.

Caso o contrato seja fechado, será o terceiro filme da Disney dirigido por Gillespie. Anteriormente, ele comandou “Arremesso de Ouro” (2014) e “Horas Decisivas” (2016) para o estúdio. Ambos fracassaram nas bilheterias.

“Cruella” ainda não tem previsão de estreia.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings