Comerciais tentam explicar premissa absurda da sci-fi Máquinas Mortais


A Universal divulgou quatro comerciais de “Máquinas Mortais” (Mortal Engines), que tentam explicar a premissa absurda da produção. “Depois da guerra… cidades foram colocadas sobre rodas”, diz a narração. O nonsense surreal acompanha cidades monstruosas que devoram o que encontram pelo caminho, transformadas em aparatos gigantescos via tecnologia steampunk, na vastidão desértica do pós-apocalipse.

A trama é ambientada em um mundo futurista devastado, onde cidades inteiras foram transformadas em veículos – as Cidades Tração, que exploram os recursos naturais e consomem umas as outras. Londres é a principal Cidade-Tração e tem planos de se tornar a única sobrevivente. Um casal de jovens escapa de suas entranhas e é caçado, enquanto tenta evitar que uma nova arma terrível ameace o futuro do mundo.

O elenco destaca Hera Hilmar (série “Da Vinci’s Demons”) como Hester Shaw, uma heroína com cicatriz na face, Robert Sheehan (“Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos”) como seu ajudante relutante, Jihae (série “Mars”) como líder da resistência, e a dupla Hugo Weaving (“O Hobbit”) e Stephen Lang (“O Homem nas Trevas”) mais uma vez como vilões.

Não são exatamente astros de blockbusters. Por isso, o maior destaque das prévias tem sido dado ao fato de que a obra é dos mesmos produtores de “O Senhor dos Anéis” e “O Hobbit”. O cineasta Peter Jackson assina o roteiro e a produção, e até aparece numa das prévias para vender a premissa, mas ele não é o diretor do longa.

O diretor é Christian Rivers, que estreia na função, mas foi assistente de Jackson nos filmes do “Hobbit” e trabalhou nos efeitos visuais das duas trilogias da Terra Média.

Jackson, por sua vez, assina o roteiro e a produção ao lado de sua esposa Fran Walsh e a parceira criativa Philippa Boyens. O trio foi mentor dos seis filmes baseados nas obras de J.R.R. Tolkien.

“Maquinas Mortais” é a adaptação do primeiro volume das “Crônicas das Cidades Famintas” do escritor britânico Philip Reeve, e pode originar uma nova franquia. A história já rende quatro volumes, publicados desde 2001.



O elenco ainda inclui Joel Tobeck (série “Ash vs Evil Dead”), Colin Salmon (série “Limitless”), Frankie Adams (série “The Expanse”), Caren Pistorius (“A Luz entre Oceanos”) e Leila George (“Minha Namorada É uma Vampira”).

A estreia está marcada para 10 de janeiro no Brasil, um mês após o lançamento nos Estados Unidos – o que não é muito promissor.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings