Série clássica Kung Fu vai ganhar nova versão com protagonista feminina



A Fox deu sinal verde para a produção do piloto de uma nova série dramática com um velho título conhecido, “Kung Fu”.

Desenvolvida pelo produtor-roteirista Albert Kim (“Nikita” e “Sleepy Hollow”), “Kung Fu” vai se passar nos dias de hoje e acompanhar uma descendente de Kwai Chang Caine, o personagem de David Carradine na série clássica de mesmo nome, um dos maiores sucessos televisivos dos anos 1970.

A atração original foi um fenômeno de popularidade, gerando até gíria – “gafanhoto”, como o mestre chamava o discípulo Kwai Chang Caine. Durou ao todo três temporadas, entre 1972 e 1975, mas Carradine realizou um revival nos anos 1990, passado nos dias atuais e intitulado “Kung Fu: The Legend Continues”, que durou mais quatro temporadas.

Descrita como uma série procedimental de ação, “Kung Fu” desta vez será protagonizado por uma mulher jovem de descendência chinesa, que herda o estúdio de kung fu de seu pai, apenas para descobrir que ele é na verdade um centro secreto dedicado a ajudar os membros da comunidade de Chinatown. Com o auxílio de um ex-fuzileiro naval, ela decide continuar a missão da escola, e no processo descobre coisas que não sabia sobre sua herança cultural e herança familiar, incluindo uma conexão com um ancestral lendário.



O projeto começou a ser desenvolvido há um ano, mas se alterou bastante desde os primeiros esboços, quando seria escrito por Wendy Mericle (“Arrow”) e acompanharia uma monja budista nos Estados Unidos dos anos 1950.

A atual encomenda do piloto reflete duas tendências que ganharam força nos últimos meses na indústria do audiovisual americano: resgates de séries clássicas e produções com atores asiáticos. Este último desenvolvimento é bem recente e se deve ao sucesso do filme “Podres de Ricos, que já fez mais de US$ 220 milhões em todo o mundo com um orçamento de US$ 30 milhões – sem estrear no Brasil.

A produção do novo “Kung Fu” está a cargo do prolífico Greg Berlanti, produtor que detém o recorde de maior quantidade de séries no ar simultaneamente – 12 em 2018 e mais um monte anunciadas para 2019.

O episódio piloto precisa ser aprovado para que a série seja produzida.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings