Baterista do Lynyrd Skynyrd vence sobreviventes da banda pelo direito de contar sua história no cinema


O filme sobre o acidente aéreo de 1977 que matou os integrantes da banda Lynyrd Skynyrd foi liberado pela justiça americana, após uma liminar do ano passado impedir sua distribuição.

Os herdeiros e alguns dos sobreviventes tentaram impedir a produção da cinebiografia da banda de rock, “Street Survivors: The True Story of the Lynyrd Skynyrd Plane Crash”. Isto porque os sobreviventes fizeram um “juramento de sangue” de nunca mais usar o nome Lynyrd Skynyrd para evitar evocar a tragédia, e esse juramento já foi considerado um contrato verbal por um tribunal, que impediu o lançamento de um álbum ao vivo dos membros remanescentes com o nome de Lynyrd Skynyrd em 1987.

Entretanto, de acordo com a sentença, o ex-baterista Artimus Pyle tem o direito de contar sua história, apesar da objeção de outros integrantes do banda, conhecida por sucessos como “Sweet Home Alabama” e “Free Bird”.

Lynyrd Skynyrd surgiu em 1973 e emplacou diversos clássicos do rock. Em outubro de 1977, no auge da carreira, a banda embarcou num pequeno avião modelo Convair 240, fabricado em 1947, que acabou caindo. O acidente matou o cantor Ronnie Van Zant e o guitarrista Steve Gaines, além da backing vocal Cassie Gaines (irmã de Steve), o road manager Dean Kilpatrick, o piloto Walter MacCreary e o co-piloto William Gray. 20 pessoas sobreviveram ao acidente, incluindo Pyle.



O filme foi baseado em parte nas experiências de Pyle, que se juntou ao Lynyrd Skynyrd como baterista em 1975 e escapou com vida do desastre aéreo.

Outros guardiões do legado de Lynyrd Skynyrd, incluindo a viúva do cantor Ronnie Van Zant, Judith Van Zant Jenness, o membro fundador Gary Rossington, além de representantes dos ex-membros Allen Collins e Steve Gaines, tentaram impedir a exibição do filme.

O filme é uma produção independente, dirigida por Jared Cohn (“A Vizinhança Assombrada”), especialista em filmes de terror de baixíssimo orçamento para o mercado de DVDs, que também assina o roteiro.

O título da produção usa o nome do álbum “Street Survivors”, que a banda tinha lançado três dias antes da tragédia e trazia os músicos, de forma premonitória, em meio à chamas (imagem acima).



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings