Assassination Nation: Filme mais comentado do Festival de Sundance ganha trailer ultraviolento


A Neon divulgou a produção indie “Assassination Nation”, um dos filmes mais comentados do Festival de Sundance 2018. A prévia é num explosão de violência estilizada, que chega a ser quase fashion – e que o New York Times rotulou como um cruzamento de “Atração Mortal” (Heathers) com “Uma Noite de Crime” (Purge). Esta, por sinal, é uma das frases de efeito jogadas no vídeo, todas contendo elogios rasgados, decepados e sangrentos.

Segundo longa escrito e dirigido por Sam Levinson, “Assassination Nation” é um suspense de humor negro, que mostra como a pacata cidade de Salém mergulha no caos, após um provocador anônimo começar a publicar detalhes da vida digital privada de todos os moradores nas redes sociais. Quando uma adolescente da escola é incriminada, toda a cidade parte para linchá-la e às suas amigas, levando-as a se armar para a guerra.

O primeiro filme de Levinson, “Bastidores de um Casamento”, foi premiado como o Melhor Roteiro do Festival de Sundance em 2011. Depois disso, ele assinou o roteiro de “O Mago das Mentiras” (2017), telefilme da HBO estrelado por Robert De Niro.



O elenco é encabeçado por Odessa Young (série “High Life”), Suki Waterhouse (“Orgulho e Preconceito e Zumbis”), Hari Nef (série “Transparent”) e a estreante Abra, e repleto de jovens atores, como Bill Skarsgård (“It: A Coisa”), Bella Thorne (série “Famous in Love”), Cody Christian (série “Teen Wolf”), Danny Ramirez (série “The Gifted”) e Maude Apatow (a filha do diretor Judd Apatow e da atriz Leslie Mann, vista na série “Girls”). Para completar, ainda há adultos como Colman Domingo (série “Fear the Walking Dead”), Joel McHale (série “Community”), Anika Noni Rose (série “Power”) e Susan Misner (série “The Americans”).

“Assassination Nation” chega aos cinemas americanos em 21 de setembro e não tem previsão de lançamento no Brasil.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings