Goleiro da Islândia que parou Messi é cineasta



Consagrado na Copa do Mundo 2018 como o goleiro que parou Messi, Hanners Thor Halldórsson, destaque do time de futebol da Islândia, é realmente um jogador diferenciado. Quando não está à frente das traves, o atleta de 34 anos costuma estar atrás das câmeras.

Halldórsson é cineasta. Ele já tem diversos clipes de rock islandês e campanhas comerciais em seu portfólio. Além disso, foi editor assistente de “Hrafnhildur” (2012), vencedor do Adda Awards, o equivalente ao Oscar da Islândia, na categoria de Melhor Documentário.

O jogador-diretor também assinou o comercial épico da Coca-Cola sobre a seleção da Islândia, que é sem dúvida uma das melhores peças publicitárias criadas para o evento. Veja abaixo.

Mas sua influência no time de futebol de seu país não fica nisso. Ele transformou a seleção da Islândia na mais cinéfila do torneio mundial, criando o hábito entre os jogadores de se reunirem na concentração para assistirem filmes juntos, duas ou três noites antes de cada partida. Graças às suas conexões na indústria de cinema da Islândia, Halldórsson também consegue realizar premières mundiais para os colegas da equipe, como na ocasião em que os jogadores puderam assistir “Evereste”, de Baltasar Kormákur, antes do filme chegar aos cinemas e na véspera da vitória contra a seleção da Holanda em Amdesterdã em 2015.

Ao parar Lionel Messi em uma cobrança de pênalti e em várias defesas importantes, ele passou a viver seu próprio filme. Mas é um filme que não começou agora. Vem desde a Eurocopa de 2016, quando segurou Cristiano Ronaldo no empate de sua equipe diante de Portugal.



Resta saber se o filme de sua vida tem final Hollywoodiano, em que os pequenos surpreendem e conseguem vencer os gigantes.

“Eu tenho muita confiança no nosso time. Conseguimos resultados tão bons nos últimos anos que realmente não tememos ninguém”, Halldórsson disse após o jogo deste sábado (16/6).

Uma coisa é certa, ele já sabe o que fará quando parar de jogar bola. “Tenho utilizado meu tempo livre de jogador profissional para terminar o roteiro de um filme de terror. Tenho esperança que esteja pronto para produzir quando terminar de jogar”, contou o goleiro ao jornal português Publico.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings