Marvel procura diretora indie para o filme da Viúva Negra

 

Com a chegada de “Vingadores: Guerra Infinita” aos cinemas, a Marvel começa a dar início a sua Fase 4. E ela começa com a busca por uma diretora para o primeiro filme solo da Viúva Negra.

Os sites das revistas Variety e The Hollywood Reporter apuraram que a procura por quem comande o longa da personagem interpretada por Scarlett Johansson já tem um bom tempo e algumas cineastas chegaram a ser cotadas. Os nomes citados pelo THR seriam a turca Deniz Gamze Erguven (de “Cinco Graças”, indicado ao Oscar 2016), a chinesa Chloe Zhao (“The Rider”, indicado ao Spirit Awards 2018) e a britânica Amma Asante (“Um Reino Unido”), todas mulheres e estrangeiras.

A Variety acrescentou duas americanas à lista: Maggie Betts (melhor diretora no Festival de Sundance 2017 por “Noviciado”) e Angela Robinson (“Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas”), ambas com experiência restrita ao cinema indie.

Nenhuma das citadas é expert em sequências de ação, efeitos visuais ou trabalho com equipes grandes, tendo se especializado em dramas intimistas de baixo orçamento. A única a trabalhar com figurantes para sequências de multidão foi Amma Asante, em “Um Reino Unido” (2016). E a única a lidar com ação e espionagem foi Angela Robinson no começo da carreira, com a comédia “D.E.B.S.: As Super Espiãs” (2004).

Scarlett Johansson deve seguir no papel da Viúva Negra. Afinal, a Marvel não tem como resolver um grande dilema criado por sua intenção de realizar um reboot de seu universo após “Vingadores 4”. Há contratos para mais dois filmes do Homem-Aranha e a Sony, sua parceira no longa, não vai querer mudar, de novo, o intérprete do herói para recomeçar, de novo, a franquia.

O filme da Viúva Negra ainda não foi oficialmente confirmado pela Marvel, que, apesar disso, contratou uma roteirista para desenvolver a trama. Trata-se de Jac Schaeffer (do curta “Olaf em uma Nova Aventura Congelante de Frozen”).

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings