Menina que surtou com o Slender Man é condenada a 40 anos de reclusão psiquiátrica

A condenação de uma adolescente nesta semana colocou fim num caso bizarro que ocorreu nos Estados Unidos há quatro anos. Em 2014, uma garota de 12 anos esfaqueou por 19 vezes a sua melhor amiga, dizendo-se influenciada pelo Slender Man, uma lenda urbana criada na internet. Agora, Morgan Geyser foi julgada e condenada a 40 anos de reclusão em uma instituição de saúde mental.

Geyser contou com a ajuda de outra garota, Anissa Weier, para cometer o crime – e Weier já tinha sido condenada a 25 anos em uma instituição psiquiátrica por seu papel no crime.

A vítima, Payton Leutner, sobreviveu e conseguiu pedir ajuda a um ciclista que passava próximo ao local do ataque.

Weier e Geyser disseram à polícia que elas tinham que matar Leutner para provar ao Slender Man que eram dignas de ser suas servas, bem como para proteger suas famílias contra ele. Todas as três meninas tinham 12 anos no momento do ataque.

O Slender Man foi criado no Photoshop pelo internauta Erick Knudsen como um meme em 2009, mas ganhou tanta popularidade que se espalhou pela internet e começou a gerar relatos de pessoas que afirmam tê-lo visto de verdade. Sua lenda atingiu picos de notoriedade após o ataque das crianças em Milwaukee.

Segundo os pais de Geyser, ela sofre de problemas mentais e foi diagnosticada com esquizofrenia. “Ela tem uma condição de saúde que não escolheu ter”, afirmou o advogado da família.

A condenação acontece após protestos do pai de Anissa Weier contra o filme “Slender Man”, da Sony. Bill Weier acusa o filme, que teve seu primeiro trailer divulgado em janeiro, de explorar a tragédias das famílias. “É absurdo que eles desejem fazer um filme como este”, disse Weier. “É popularizar uma tragédia. Não estou surpreso, mas na minha opinião é extremamente desagradável. Tudo o que estão fazendo é ampliar a dor que as três famílias passaram”.

O estúdio não respondeu à polêmica, mas “Slender Man” teve seu lançamento adiado. A estreia estava marcada para 18 de maio. Entretanto, após os protestos, passou para 24 de agosto nos Estados Unidos.

A produção da Sony é o primeiro filme do personagem, com direção de Sylvian White (“Assassinato em Quatro Atos”) e roteiro de David Birke, que escreveu o aclamado suspense francês “Elle” (2016), de Paul Verhoeven.