How to Get Away with Murder registra sua pior audiência nos Estados Unidos

A competição feroz das noites de quinta-feira na TV americana não está sendo ruim apenas para “Gotham”. A série “How to Get Away with Murder” também está sangrando mortalmente, após registrar a pior estreia de uma temporada, seguida pela pior audiência de um episódio de sua história.

A série que rendeu o Emmy para Viola Davis em sua 1ª temporada caiu para níveis de cancelamento, assistida por 3,8M (milhões) de telespectadores na quinta-feira (5/10) e apenas 0,9 ponto na demo (faixa demográfica de adultos entre 18 e 49 anos, mais relevante para os anunciantes). É a mesma demo de “Gotham”, que tem 1 milhão de telespectadores a menos.

O que mais chama atenção não é nem a comparação com a tragédia de “Gotham”, mas com a estreia da própria produção em 2014, quando foi vista por 10 milhões de pessoas a mais que o público atual – 14,1M de telespectadores ao vivo e 3,8 pontos. Mas a curva já se tornou descendente na 2ª temporada.

O primeiro ano teve um público de 9,7M por episódio, o segundo registrou 6,2M, o terceiro desceu para 4,6M e a 4ª temporada está até aqui com 3,9M de média.

Exibida às 22h na rede ABC, “How to Get Away with Murder” enfrenta concorrência direta de “Chicago Fire”, que lidera o horário com média de 6,6M. Dentro da ABC, a série fecha uma noite dedicada às produções da Shondaland, a empresa da produtora-roteirista Shonda Rhimes, da qual está sendo a menos assistida – “Grey’s Anatomy” gerou 7,9M de telespectadores e 2 pontos na quinta passada, enquanto “Scandal” foi assistia por 5,5M e rendeu 1,4 ponto.

“Scandal” termina na atual temporada, mas já está em desenvolvimento um spin-off com bombeiros de “Grey’s Anatomy”, que pode manter o bloco da Shondaland intacto, apesar de Shonda Rhimes ter assinado um contrato com a Netflix. Entretanto, este último detalhe também pode desestimular a ABC a manter o bloco, além de facilitar/acelerar um possível cancelamento de “How to Get Away with Murder”, caso a audiência continue a desabar.

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings