Ao contrário dos boatos, Logan não tem cena pós-créditos



Depois de chamar de mentiroso o jornalista do site The Wrap que espalhou que Deadpool apareceria em “Logan” – era mesmo uma mentira – , o diretor James Mangold voltou ao Twitter para desacreditar o site Collider, que afirmou existir uma cena pós-créditos no filme que não tem cena pós-créditos.

Questionado nas redes sociais, o cineasta responsável pelo novo filme do Wolverine respondeu de forma objetiva: “Não há cenas pós-créditos”. E, de fato, nenhuma cena pós-créditos foi vista no filme durante a première no Festival de Berlim e nas sessões para a imprensa.

Mangold nem perdeu tempo para elaborar mais a negativa. Mas isso não impediu a diversão dos gremlins, que retrucaram na internet. “Então, é uma cena na metade dos créditos?” A reação pode ser divertida para quem acha tudo uma grande brincadeira, mas reforça a forma irresponsável como produtos considerados geek são tratados pela imprensa “especializada”.

Ao contrário de Umberto Gonzalez, que sustentou sua mentira até o fim, Steve “Frosty” Weintraub, do Collider, admitiu ter publicado uma notícia falsa quando confrontado com a declaração do diretor. Foi mau jornalismo mesmo, pois, segundo ele próprio admitiu, bastou conferir com outras fontes para ver que era mentira. “Depois de falar com mais fontes, descobri que estava errado no meu relato original. Logan não tem uma cena de pós-créditos”, ele escreveu. E por que não checou a informação antes? Porque é assim que o “jornalismo” geek funciona: publicar boato rende um clique no link e o desmentido outro. Dois cliques como resultado de nada. É um bom negócio fazer de qualquer jeito.

A Pipoca Moderna já segue a política de evitar reproduzir “notícias exclusivas” de “fontes anônimas” dos sites Heroic Hollywood, Latino Review e The Wrap, visando reduzir ao mínimo a boataria isca-de-clique. O Collider, ao menos, realiza entrevistas que podem servir de fonte confirmada de notícias. Mas suas exclusivas off the record também serão barradas daqui para a frente.



De todo modo, o que for bizarro demais continuará a ser relatado, como sintoma da subcultura geek, que dá aos boatos de filmes de super-heróis tratamento de revista de fofoca de novelas. Mas, ao contrário de outros sites, sempre alertando ao leitor sobre a proveniência questionável da informação, com o objetivo de ajudar a ridicularizar e desacreditar esse tipo de prática.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings