Festival de Tiradentes completa 20 anos buscando reação e reinvenção

A Mostra de Cinema de Tiradentes, em Minas Gerais, abre nesta sexta (20/1) sua edição de 2017, em que completa 20 anos. Realizada pela Universo Produções com apoio do Ministério da Cultura, a Mostra de Tiradentes é responsável por abrir o calendário audiovisual brasileiro.

Nesta 20ª edição, o evento terá como tema “Cinema em Reação, Cinema em Reinvenção” – os outros festivais do país não costumam ter “tema”. Com o mote em vista, especialistas convidados irão fazer um balanço da produção cinematográfica dos últimos 20 anos no país e discutir os desafios em um período de crise econômica e política.

Anteriormente, outros especialistas convidados do evento produziram dois manifestos políticos, em 2013 e 2015, repletos de afagos ao governo federal e com forte tom ufanista, apesar da política cultural da época priorizar grandes produções comerciais. Felizmente, a troca de comando partidário em Brasília deve agora possibilitar um tom mais crítico, alinhado à realidade do próprio festival, que é pequenino e voltado à produção independente, alternativa e autoral.

O festival abre sua 20ª edição na noite desta sexta (20/1) com a exibição do documentário “As Divinas Divas”, que marca a estreia da atriz Leandra Leal como diretora. Já exibido no Festival do Rio, o filme retrata ícones da primeira geração de artistas travestis no Brasil, nos anos 1960.

Leandra Leal é uma das homenageadas do evento, ao lado de outra atriz que virou diretora, a veterana Helena Ignez, cujo filme mais recente, “Ralé”, foi exibida na própria Mostra no ano passado.

Ao todo, a Mostra exibirá 108 filmes, dos quais 34 são longa-metragens, divididos em várias mostrinhas paralelas.