HBO começa a oferecer assinatura exclusiva por streaming no Brasil

A HBO anunciou que a partir da semana que vem passará a comercializar a assinatura da plataforma HBO Go de forma independente de seu canal pago. Ou seja, o público poderá assinar apenas o serviço de streaming, para assistir o canal pela internet, sem ter que comprar o pacote com os canais de TV HBO/Max.

“Este lançamento reafirma nosso compromisso de tornar o nosso conteúdo mais acessível a um número cada vez maior de brasileiros para que possam assistir o melhor da HBO como, onde e quando quiserem”, afirmou Francisco Smith, Vice-presidente Executivo de Distribuição e Desenvolvimento de Meios, da HBO Latin America, no anúncio do serviço.

Com o HBO Go a la carte – serviço que nos EUA se chama HBO Now –, o assinante tem acesso a todo o catálogo de conteúdos originais da emissora, desde episódios de séries atuais, como “Westworld”, até capítulos de produções clássicas, como “Sex and the City”.

Financeiramente, porém, não há vantagem na novidade.

A partir de 7 de dezembro, a assinatura individual do serviço de streaming será comercializada por R$ 34,90 mensais.

Isto é mais caro que adquirir os canais HBO/Max na TV por assinatura, que custam em torno de R$ 30 mensais junto às operadoras – a Sky ainda oferece um plano basicão da HBO a partir de R$ 19,90.

Como comparação, a Netflix, que oferece mais títulos novos, oferece assinaturas de R$ 19,90 (básica) a R$ 29,90 (premium) para seu serviço de streaming.

E o aspecto financeiro nem é o maior problema. O serviço será, inicialmente, um lançamento exclusivo para aqueles que usam internet da Oi, e estará disponível somente no Espirito Santo, Mato Grosso do Sul, Bahia e Distrito Federal.

Uma segunda etapa prevê a liberação para outros estados onde a Oi atua no primeiro trimestre do ano que vem.

Além disso, a HBO já está em negociação para o lançamento do serviço junto às demais companhias provedoras de banda larga ao longo de 2017.

Apesar de cara e limitada, a iniciativa não deixa de ser uma antecipação à aguardada inauguração da plataforma da Amazon no Brasil, que pode acontecer a qualquer momento, além de refletir o interesse da nova proprietária do canal, a empresa de telefonia americana AT&T, em investir numa alternativa competitiva à Netflix.