Instagram/Diego Raymond

Diego Raymond: De presidiário a astro da Globoplay

Ex-traficante que foi destaque nas páginas policiais em 2010, durante a ocupação do Complexo do Alemão, Diego Raymond emplacou a carreira de ator na Globoplay.

Após cumprir sua pena, o antigo Mister M do crime é destaque da 3ª temporada de “A Divisão” e está em “O Jogo que Mudou a História”, dramatização da história do tráfico do Rio. Já gravados, os dois trabalhos estreiam ainda neste ano.

Em entrevista à coluna de Patricia Kogut, do jornal O Globo, ele explicou que contou com o apoio da família para se entregar à polícia. Graças a iniciativa, teve a pena reduzida. Ficou nove meses preso e saiu em 2011.

Sua ficha, em vez de se tornar um estigma, acabou facilitando a carreira de ator, conquistando produtores em busca de realismo para produções policiais.

O convite para fazer as séries do Globoplay foi feito por José Junior, criador do Grupo Cultural AfroReggae e autor e idealizador das produções, quando ele ainda estava preso.

“Quando eu me entreguei para a polícia, o José Júnior foi até a delegacia e me perguntou se eu estava disposto a recomeçar a minha vida e, que se eu tivesse, já teria um emprego com carteira assinada ao sair da cadeia. Quando eu fui libertado, fui trabalhar no AfroReggae, onde fiz diversos cursos. Virei cinegrafista e, por isso, já conhecia os bastidores do audiovisual”, contou Raymond, que também é atleta de crossfit, modelo e jogador de futebol americano.

Ele confessou que se imaginava trabalhando atrás das câmeras nas produções de José Júnior e relutou a aceitar o convite para atuar, por timidez e vergonha, mas agora está bem confortável na nova profissão. “As pessoas têm me elogiado bastante”, disse Raymond. “Podem vir as próximas que eu estou pronto”, afirmou.

O ator ainda tem aproveitado a experiência positiva para inspirar outras pessoas, compartilhando com seguires nas redes sociais os passos de sua reconstrução.

“Sair do crime não é algo fácil, mas existe um caminho e eu quero mostrar isso para os outros. Eu costumo postar sobre as minhas vitórias nas redes sociais, mas eu não faço isso para tirar onda. Eu posto justamente para mostrar para aqueles que ainda estão lá (no crime) que há uma luz no fim do túnel. Quero ser uma prova de que bandido bom não é bandido morto. As pessoas precisam de oportunidades”, explicou.

Além disso, ele cita três motivações especiais para dar certo como artista e nunca mais voltar para o crime: duas filhas de 13 e 12 anos, e um filho de 4. “Quero dar uma educação boa para os meus filhos, para que eles nem pensem em chegar perto do crime”.