Divulgação/Paramount

“Sonic 2”, “Animais Fantásticos 3” e mais filmes pra ver em casa

A sessão de cinema em casa destaca dois títulos populares de apelo juvenil, que estiveram recentemente em cartaz nas salas de exibição. Mas os adultos estão mais bem-servidos, graças a uma seleção de thrillers intensos, comédias divertidas e dramas premiados, que chegam às plataformas digitais sem passar pelas filas de ingressos dos multiplexes nacionais.

Confira abaixo as 10 principais novidades da semana nos serviços de assinatura e locação online.

 

 

| SONIC 2: O FILME | CLARO TV+, VIVO PLAY, VOD*

 

No mesmo tom de comédia infantil do primeiro filme, mas com mais personagens digitais, “Sonic 2” volta a mostrar que não há problemas que o ouriço mais veloz do mundo não possa vencer e canastrice que Jim Carrey não seja capaz de superar. Como o vilão bigodudo Dr. Ivo Robotnik, desta vez o comediante alista o fortão Knuckles para lutar contra Sonic e seu novo aliado Tails, recriando elementos da famosa franquia de videogames da SEGA – em meio a muitas citações de filmes de super-heróis.

Com personagens animados ligeiros e imagens de colorido intenso, a produção foca especificamente o público infantil, sem perder tempo em apresentar atrativos para os jovens adultos que cresceram jogando “Sonic”.

 

 

| ANIMAIS FANTÁSTICOS: OS SEGREDOS DE DUMBLEDORE | CLARO TV+, HBO MAX, VIVO PLAY, VOD*

 

O terceiro e possivelmente último filme da franquia “Animais Fantásticos” mantém o visual suntuoso de “Harry Potter” e oferece momentos divertidos para os fãs dos personagens. Mas sofre com a falta de concisão dos roteiros de JK Rowling, que deixam claro como o papel do roteirista Steve Kloves foi subestimado na adaptação da saga original.

Novamente dirigido por David Yates, que assinou todos os “Animais Fantásticos”, além dos quatro últimos “Harry Potter”, as 2h22 de filme passam de forma arrastada e aos trancos, sem nem sequer explicar porque o vilão Grindelwald trocou de rosto, com a substituição de Johnny Depp (antagonista em “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”) por Mads Mikkelsen (“Hannibal”) durante as filmagens. O motivo foi o escandaloso processo aberto por Depp contra o jornal The Sun, contestando um artigo que o chamou de espancador de esposa. Depp perdeu, virou legalmente um espancador de esposa e foi convidado a se retirar do filme.

Representando a emergência do fascismo nos anos 1930, época em que o filme se passa, Grindelwald tenta transformar seus planos de extermínio em plataforma político-eleitoral, ao mesmo tempo em que o suposto protagonista Newt Scamander (Eddie Redmayne) embarca numa nova missão para justificar a quantidade absurda de coadjuvantes sem função na história, incluindo desta vez uma bruxa vivida pela brasileira Maria Fernanda Cândido (quase sem diálogos).

Vários personagens que estiveram nos dois filmes anteriores voltam se amontoar na trama, incluindo Jude Law (Alvo Dumbledore) Ezra Miller (Credence/Aurelius Dumbledore), Alison Sudol (Queenie Goldstein), Dan Fogler (Jacob Kowalski), Katherine Waterston (Tina Goldstein), Callum Turner (Theseus Scamander) e Jessica Williams (Eulalie “Lally” Hicks), disputando minutos de cenas com as novidades do elenco.

A falta de foco seria um dos motivos dos baixos 47% de aprovação no Rotten Tomatoes e a pior bilheteria entre todos os títulos do universo “Harry Potter”. Outro motivo seria a desimportância dos tais segredos de Dumbledore, a menos que se considere bombástico o fato do diretor de Hogwarts ter vivido no armário durante todos os filmes do bruxinho. A nova produção confirma que ele e Grindelwald costumavam ser… bem íntimos. Há também revelações sobre o sobrinho do mestre bruxo, que mal registram como detalhes periféricos.

 

 

| LIVRAI-NOS DO MAL | VIVO PLAY, VOD*

O violento thriller sul-coreano volta a reunir Lee Jung-jae (o protagonista de “Round 6”) com Jung-min Hwang após o premiado policial “Nova Ordem” (2013). Desta vez, os dois querem se matar.

Hwang vive um assassino profissional que eliminou seu último alvo e planeja se aposentar. Jung-jae é o irmão do último alvo, que persegue Hwang para se vingar, jurando matá-lo e a todos os que o conheceram de forma brutal e sanguinária. No meio dessa disputa feroz, a filha de Hwang – que ele não sabia existir – é sequestrada na Tailândia, levando a ação a cruzar fronteiras.

Considerado um dos melhores filmes de ação recentes da Coreia do Sul, atingiu 95% de aprovação no Rotten Tomatoes e venceu 11 prêmios internacionais. Roteiro e direção são de Won-Chan Hong, que escreveu os excelentes thrillers “O Caçador” (2008) e “Confissão de Assassinato” (2012).

 

 

| INTERCEPTOR | NETFLIX

 

A espanhola Elsa Pataky, ex-integrante da franquia “Velozes e Furiosos” e esposa de Chris Hemsworth (o Thor da Marvel) estrela estre thriller de ação, que segue uma fórmula de sucesso dos anos 1990.

A premissa é basicamente “A Força em Alerta” (1992), 30 anos depois. Em vez de um navio, desta vez é uma base militar isolada no Atlântico que sofre a invasão de terroristas armados, e novamente só há uma pessoa capaz de impedi-los de assumir o controle de mísseis perigosos. Para atualizar a trama, desta vez o herói brutamontes é uma mulher, uma corajosa capitã do exército que usa seus anos de treinamento tático e experiência contra os inimigos.

Repleto de explosões e cenas de ação mirabolantes, o filme escrito pelo roteirista do primeiro “Piratas do Caribe”, Stuart Beattie, investe na adrenalina para oferecer um pouco mais do que se espera de seus clichês, sua locação reduzida e seu orçamento limitado, resultando num passatempo na média para os fãs de ação.

Detalhe: o marido famoso de Pataky aparece numa figuração e é um dos produtores do longa.

 

 

| ORGULHO & SEDUÇÃO | STAR+

 

Esta comédia muito divertida é uma versão gay de “Orgulho & Preconceito”, clássico romântico de Jane Austen, encenada nos dias de hoje durante férias de verão.

Escrita e estrelada pelo comediante Joel Kim Booster (“Sunnyside”), a produção acompanha amigos de descendência asiática determinados a se divertir numa ilha famosa por ser itinerário de festas LGBTQIA+, mas ao chegar lá acabam travando numa espécie de competição com gays de beleza instagramável, que se portam de forma esnobe, fazendo julgamentos ferinos com base em raça e classe social. Logicamente, um dos amigos se vê atraído pelo mais orgulhoso de todos.

Elogiadíssima pela crítica americana, a comédia estreou com 96% de aprovação no Rotten Tomatoes. Seu tom alegre é equivalente a uma Sessão da Tarde sem preconceitos, e ainda serve de antídoto para as muitas histórias de repressão à comunidade LGBTQIA+ que costumam dominar as produções cinematográficas dos últimos anos – segue um exemplo mais abaixo.

 

 

| A EXTRAORDINÁRIA GAROTA CHAMADA ESTRELA EM HOLLYWOOD | DISNEY+

 

A continuação do sucesso “A Extraordinária Garota Chamada Estrela” encontra a protagonista de mudança para Los Angeles em busca de expandir seus horizontes e conhecer pessoas que possam ajudá-la a brilhar como seu nome. Destacando mais a personagem-título que o primeiro filme, a produção também permite à cantora Grace VanderWaal expandir seus talentos dramáticos.

Doce ao extremo, a trama também tem uma mensagem importante sobre a busca de sucesso: o que é, como obtê-lo e como sustentá-lo em um mercado instável como o alimentado pela indústria musical. A jornada da protagonista, entre recusas e resoluções, é uma carta de amor ao processo artístico e criativo, e dedicada a sonhadores com ambição inabalável. Ou seja, este é um filme infantil com a fagulha clássica da Disney, o estúdio que nasceu estimulando sonhos.

A direção é novamente de Julia Hart. E além de Grace VanderWaal como Stargirl/Estrela, o elenco inclui Uma Thurman (“Kill Bill”), Judy Greer (“Homem-Formiga e a Vespa”), Elijah Richardson (“Falcão e o Soldado Invernal”), Tyrel Jackson Williams (“Lab Rats”) e o veterano Judd Hirsch (“Superior Donuts”).

 

 

| DESERTO DO OURO | VIVO PLAY, VOD*

Zac Efron (“Chamas da Vingança”) vive um homem obstinado, que viaja ao deserto na companhia de um guia e lá descobre a maior pepita de ouro já encontrada. Entretanto, eles não tem as ferramentas para desenterrá-la. Enquanto o parceiro vai buscar equipamento, Efron guarda seu tesouro, enfrentando o calor terrível, cães selvagens, tempestade de areia e possíveis alucinações, sem que o outro dê sinais de voltar.

O drama de sobrevivência e ganância tem roteiro e direção do australiano Anthony Hayes, que também interpreta o parceiro de Efron. Ele é conhecido por atuar nos filmes de David Michôd, como “Reino Animal” (2010) e “The Rover – A Caçada” (2014).

 

 

| NUCLEAR | VIVO PLAY, VOD*

Protagonista de “No Ritmo do Coração”, vencedor do Oscar 2022, a jovem Emilia Jones já mostrava toda sua capacidade de conduzir uma trama complexa nesta produção britânica de 2019 sobre uma família tóxica. Ela vive uma jovem traumatizada, que testemunha um ataque violento do próprio irmão contra sua mãe, e foge com ela para um abrigo isolado, próximo de uma velha usina nuclear, onde a toxidade do ambiente se torna mais que uma metáfora.

O filme de estreia da diretora Catherine Linstrum tem atmosfera semi-alucinatória e repleta de simbolismos, que exploram o impacto do trauma e a locação quase pós apocalíptica no estado mental da adolescente, que pode ou não ter conhecido um garoto ao explorar aquele lugar deserto sob a sombra do castelo de Drácula – apelido dado para a usina abandonada.

O elenco também inclui Sienna Guillory (“Clifford, O Gigante Cão Vermelho”) como a mãe e George MacKay (“1917”) como o rapaz do campo.

 

 

| WET SAND | MUBI

Premiado no Festival de Locarno, o drama de Elene Naveriani se passa numa aldeia no Mar Negro georgiano, cheia de pessoas amigáveis convencidas de que são gente de bem. Até o dia em que um morador é encontrado enforcado e ninguém quer perder tempo com o enterro. Quando sua neta chega para organizar seu funeral, ela é confrontada com uma surpreendente falta de simpatia ou ajuda para organizar os pertences do avô. Logo, descobre o motivo: homofobia. E não demora para a população supostamente amigável mostrar-se detestável, ao descobrir que o falecido tinha uma amante homossexual ainda vivo na cidade.

Profundamente humanista, o filme apresenta uma história de resistência diante do atraso, preconceito e fanatismo de mentes de cidade pequena.

 

 

| A MESMA PARTE DE UM HOMEM | VOD*

O primeiro drama de ficção da documentarista Ana Johann é uma alegoria feminista, passada numa localidade isolada do interior, onde a personagem de Clarissa Kiste (“Amor de Mãe”) vive com a filha adolescente (Laís Cristina, de “Fora de Série”) e o marido dominador (Otavio Linhares, de “Deserto Particular”). Até que, de repente, o marido some e outro homem (Irandhir Santos) surge para ocupar seu espaço.

Diferente do bruto que as dominava, o forasteiro é um homem urbano e viajado, e o jogo de dominação se inverte, com a mulher assumindo o controle. Entretanto, cada gesto brusco, cada brincadeira mal compreendida acende um alerta, que leva mãe e filha a desconfiarem deste e de qualquer outro homem.

 

 

* Os lançamentos em VOD (video on demand) podem ser alugados individualmente em plataformas como Apple TV, Google Play, Microsoft Store, Loja Prime e YouTube, entre outras, sem necessidade de assinatura mensal.