Divulgação/Globo

Suzana Faini (1933-2022)

A atriz Suzana Faini morreu nesta segunda (25/4) no Hospital São Lucas, no Rio, por complicações de Parkinson, aos 89 anos.

Faini participou de importantes novelas brasileiras, inclusive das duas versões de “Selva de Pedra” e de “Irmãos Coragem”.

Filha de cantores de ópera e sobrinha do violinista Jorge Faini, ela aprendeu a tocar piano e também estudou violino por um bom tempo, antes de se descobrir atriz.

A experiência como intérprete dramática começou depois de virar mãe, em 1969, quando figurou no filme “Os Paqueras”, de Reginaldo Filho, e coadjuvou em “Rosa Rebelde”, a terceira novela escrita por Janete Clair.

Ela agradou tanto a escritora que se tornou presença habitual em suas produções, integrando o elenco de suas quatro novelas seguintes: “Véu de Noiva” (1969), que iniciou a febre do “quem matou” na TV, “Irmãos Coragem” (1970), o primeiro épico televisivo brasileiro, “O Homem que Deve Morrer” (1971) e a famosa “Selva de Pedra” (1972), com papel duplo de Regina Duarte.

Com o sucesso, vieram novas oportunidades e a trajetória televisiva passou a ser compartilhada com papéis em filmes e no palco. Faini estrelou a peça “Hoje é Dia de Rock”, em cartaz de 1971 a 1973, e clássicos do cinema brasileiro, como “A Extorsão” (1975), de Flávio Tambellini, “Os Amores da Pantera” (1977), de Jesse Valadão, “O Crime do Zé Bigorna” (1977), de Anselmo Dias, e “A Noiva da Cidade” (1978), de Alex Viany.

Por conta disso, suas participações nas novelas se tornaram mais espaçadas. Mesmo assim, apareceu em sua primeira atração das sete, “Cuca Legal” (1975), antes de retomar a parceria com Janete Clair em “Duas Vidas” (1976) e integrar a estreia de Gilberto Braga, “Dancin’ Days” (1978).

Com a crise do cinema nacional nos anos 1980, Faini passou a concentrar a carreira na TV, voltando ao cinema apenas eventualmente – em “Eternamente Pagú” (1987), de Norma Bengell, e outras obras de menor alcance.

Apesar da morte de sua antiga parceira Janete Clair em 1983, sua presença cristalizou-se na tela da Globo. Ela chegou a estrelar três remakes de obras da escritora, como “Selva de Pedra” (1986), “Direito de Amar” (1987) e “Irmãos Coragem” (1995).

Também participou de “Malhação” (em 1995), da minissérie “Chiquinha Gonzaga” (1999) e de sucessos da “nova” geração de autores da Globo, como “A Favorita” (2008), de João Emanuel Carneiro, “Salve Jorge” (2012), de Glória Perez, “Escrito nas Estrelas” (2010) e “Espelho da Vida” (2018), de Elizabeth Jhin.

Seu último trabalho foi ao ar em 2018, num episódio da série “Sob Pressão”, mas nos últimos anos tinha se voltado mais ao teatro, chegando a ser indicada ao Prêmio Shell de Melhor Atriz em 2014 e 2015, pelas montagens de “Silêncio!” e “Família Lyons”. Em 2017, venceu o Prêmio APTR de Teatro por “O Como e o Porquê”.

Suzana deixa a filha Milenka, nascida em 1963 e portadora da Síndrome de Williams.