Instagram/Leslie Grace

Leslie Grace revela planos de continuação de “Batgirl”

A atriz Leslie Grace (“Um Bairro em Nova York”) deu uma longa entrevista à revista Variety sobre a experiência de virar a nova Batgirl. Classificando a produção da HBO Max como “insana”, ela comentou como foi contracenar com Michael Keaton, Brandan Fraser e J.K. Simmons, além de revelar que já existem conversas sobre a possível continuação do filme.

Ressaltando que a produção da sequência vai depender do desempenho em streaming, ela admitiu conhecer os planos dos diretores Adil El Arbi e Bilall Fallah (de “Bad Boys para Sempre”) para a possível “Batgirl 2”.

“Definitivamente, houve algumas conversas sobre o que poderia ser”, afirmou. “Eu vi um pouco do que filmamos, obviamente no playback e tal, mas é insano. Nós já falamos sobre para onde vamos a partir daqui, porque muita coisa acontece nesse filme. Há muitos temas diferentes que tocamos na trama. Não é só a ação. Há uma história de amor, uma relação entre pai e filha. Há um olhar para o mundo por uma lente que não é só preta e branca, mas que vê a cor e o espectro entre as coisas”.

Grace contou que as filmagens “superaram tudo o que imaginei”. “Eu tive de invocar algumas coisas em mim que nem sabia que tinha. Foi uma experiência incrível de aprendizado estar no set com veteranos de ação e absorver tudo”.

Ao falar de seus “coadjuvantes”, ela revelou que teve mais dificuldades para contracenar com Brendan Fraser. Mas por um motivo inusitada. “Foi muito difícil, porque ele é nosso vilão e eu não deveria gostar dele, mas ele é um enorme ursinho de pelúcia. Ele é uma das melhores pessoas que eu já conheci”.

O filme também conta com o veterano Michael Keaton de volta ao papel de Batman/Bruce Wayne, que ele desempenhou na virada dos anos 1980 para os 1990. “Foi selvagem para todo mundo”, ela explicou sobre o impacto da escalação. “Nossos diretores ficaram como duas crianças pequenas. Eles são nerds assumidos de Batman. E ele é o Batman, cara! Eu mal podia acreditar que estava dividindo um espaço com o Batman. Queria dizer mais, mas não posso. Foi insano, surreal, incrível”.

“E J.K. Simmons vive o meu pai”, ela continuou. “Eu estava tão nervosa, porque tudo que conseguia imaginar era a voz dele em ‘Whiplash’. Tipo, o que será que ele falaria se eu fizesse algo errado? Então, viramos melhores amigos. E ele me contou todas as ótimas histórias sobre começar a carreira, trabalhar como garçom e em uma pizzaria e tentar ser um ator, fazendo teatro”.

Para completar, a atriz adiantou o que os fãs podem esperar das cenas de ação. “Há uma boa dose de loucuras. Tem muito fogo porque, todos sabem, Brendan Fraser está vivendo o Vagalume. Tem fogos insanos. Tem acrobacias insanas. Tem quedas insanas. E Batgirl é uma motoqueira, então você vai ver muita coisa f*da”.

Leslie Grace dará vida à primeira Batgirl latina e negra. A personagem nunca tinha sido representada desta forma antes, nem mesmo nos quadrinhos.

Introduzida em 1967, quando executivos de televisão encomendaram uma heroína para atrair público feminino para a série “Batman”, que estava perdendo audiência em sua 3ª temporada, Batgirl ganhou as formas da atriz Yvonne Craig, que também serviu como modelo físico para as primeiras artes da personagem, sendo integrada aos quadrinhos quase simultaneamente à sua estreia na TV.

Apesar de ter se tornado uma das heroínas mais populares da DC Comics, ela só apareceu no cinema 30 anos depois, quando a loira Alicia Silverstone vestiu seu capuz em “Batman & Robin” (1997).

O fracasso de público e crítica daquela produção acabou reforçando a aposentadoria da personagem, que nos quadrinhos virou tetraplégica e passou a adotar a identidade de Oráculo, especializando-se em computação e serviços de inteligência para outros heróis.

Essa versão de Barbara Gordon também já foi vista em carne e osso na série “Birds of Prey” (lançada no Brasil com o título equivocado de “Mulher Gato”), interpretada por Dina Meyer em 2002, e na recente 3ª temporada de “Titãs”, vivida por Savannah Welch (“Six”).

Enquanto estava confinada numa cadeira de rodas nos quadrinhos, duas outras heroínas (uma asiática e uma loira) assumiram sua identidade, mantendo o nome de Batgirl vivo nas publicações mensais. Até que a DC Comics passou por dois reboots e mudou tudo, voltando a trazer Barbara Gordon em forma e de volta à ação como a Batgirl original.

Desenvolvido para a plataforma HBO Max, o filme “Batgirl” tem roteiro de Christina Hodson (“Aves de Rapina”) e chega ainda este ano em streaming, numa data ainda não determinada.