Divulgação/CNN+

CNN+ é fechada menos de um mês após lançamento

A CNN anunciou nesta quinta-feira (21/4) o encerramento do CNN+, serviço de streaming da emissora nos Estados Unidos, que foi lançado há menos de um mês, em 29 de março. O desligamento oficial está marcado para o próximo dia 30.

Em comunicado oficial, Chris Licht, novo CEO da CNN, informou que a decisão foi tomada pela nova cúpula de executivos da Warner Bros. Discovery, que vai revisar a estratégia de streaming do conglomerado. Há planos, inclusive, de juntar HBO Max e Discovery+ numa única plataforma.

“À medida que nós nos tornamos a Warner Bros. Discovery, a CNN será mais forte como parte da estratégia de streaming da companhia, que vê as notícias como uma parte importante de uma oferta mais ampla e atraente, juntamente com conteúdo de esportes, entretenimento e produções de não ficção”, disse Licht no comunicado.

“Tomamos a decisão de encerrar as operações da CNN+ e focar nosso investimento nas principais operações de coleta de notícias da CNN e na construção da CNN Digital. Esta não é uma decisão sobre qualidade; agradecemos todo o trabalho, ambição e criatividade investidos na construção da CNN+, uma organização com talento incrível e programação atraente. Agora, nossos clientes e a CNN serão mais bem atendidos com uma escolha de streaming mais simples”, encerrou o executivo.

Com a decisão, Alex MacCallum, ex-diretor de programação, assume o comando da renomeada CNN Digital, e Andrew Morse, executivo que supervisionou a criação e lançamento da CNN+, deixa a companhia. Os funcionários do streaming também serão afastados.

A WarnerMedia gastou cerca de US$ 300 milhões (R$ 1,3 bilhão) no lançamento do CNN+ e planejava gastar outras centenas de milhões a mais nos próximos anos. Os usuários que assinaram a plataforma neste breve período receberão reembolsos proporcionais por suas taxas.

O lançamento da CNN+ foi a última mostra da desorganização da WarnerMedia, empresa criada em 2018 pela compra da Time Warner pela AT&T, e que foi extinta na negociação com o grupo Discovery para a criação da atual empresa Warner Bros. Discovery.

Embora tenha feito o lançamento de uma nova plataforma de streaming no apagar das luzes, a WarnerMedia fechou várias iniciativas bem-sucedidas do conglomerado, após a AT&T assumir o controle, incluindo as plataformas DC Universe (adaptações de quadrinhos), Machinima (séries baseadas em games) e DramaFever (de doramas), entre outras, além de ter vendido a Crunchyroll (de animes) para a rival Funimation (da Sony).

A dilapidação causou desvalorização e favoreceu a aquisição da Discovery, que comprou ações e assumiu o controle de uma empresa muito maior que ela mesma, a outrora poderosa Warner Bros, enquanto a AT&T veio a público admitir que nunca deveria ter enveredado pelo negócio do entretenimento.