Divulgação/Marvel

Diretor de “Cavaleiro da Lua” critica pouca representatividade de “Adão Negro”

O diretor egípcio Mohamed Diab, que está a frente de “Cavaleiro da Lua”, a próxima série da Marvel na Disney+, criticou a Warner por filmar “Adão Negro”, estrelado por Dwayne “The Rock” Johnson, sem atores egípcios.

Em entrevista ao Filfan, ele apontou que o fato de a obra ter como cenário um país fictício serviu de desculpa para a produção abrir mão da representatividade.

“Eu fiquei realmente irritado quando foi definido que o ‘Adão Negro’ seria ambientado em um país fictício do Oriente Médio como uma desculpa para não escalar atores egípcios, quando a história obviamente foi pensada para se passar no Egito”, disse Diab. “Oportunidades de ser representativo não devem ser desperdiçadas. Mas não é totalmente errado já que o filme é baseado em uma série de quadrinhos que não menciona o Egito”, completou.

De fato, apesar de todo o universo de “Adão Negro” ter influencia da cultura egípcia, ele habita um país fictício. Para o diretor, foi uma oportunidade perdida para escalar um elenco com maior diversidade.

A representatividade é um tópico que a Marvel tem olhado com mais atenção nos últimos anos. A própria série do “Cavaleiro da Lua” é um exemplo, com a inclusão de um diretor egípcio em seus bastidores, já que os podres do herói estão relacionados à mitologia egípcia.

Em sua origem nos quadrinhos, Marc Spector era um mercenário que foi abandonado para morrer durante uma missão no Egito, ocasião em que teve uma visão com o deus egípcio da lua, que lhe deu forças e mudou sua vida.

“Cavaleiro da Lua” tem estreia marcada para 30 de março na Disney+, enquanto “Adão Negro” chega aos cinemas em outubro.