Divulgação/Sony Pictures

Confira 10 filmes que chegam às plataformas digitais

Homem-Aranha, Homem-Aranha, aí vem o Homem-Aranha. O fenômeno das bilheterias chega às plataformas digitais nesta sexta (18/9) e é, sem dúvida, o grande destaque das estreias da semana. Mas a relação também tem indicado ao Oscar e títulos elogiadíssimos pela crítica, oferecendo uma boa variedade de opções.

Confira abaixo 10 dicas para programar o cinema em casa, com seus respectivos trailers e informações relevantes.

 

HOMEM-ARANHA: SEM VOLTA PARA CASA | NOW, VIVO PLAY, VOD*

Maior blockbuster da era pandêmica, “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa” abre o multiverso e infinitas possibilidades no MCU (Universo Cinematográfico da Marvel), além de transformar “fan service” em arte, representando o ápice do modelo cinematográfico da Marvel. Há muitas participações especiais – todas que os fãs pediram – e citações envolvendo 20 anos de cronologia do herói, desde o primeiríssimo “Homem-Aranha” de 2002. E só não é um grande easter egg com trechos esporádicos de trama porque os roteiristas (Chris McKenna e Erik Sommers) se superaram ao dar sentido ao excesso, tornando o “fan service” indispensável para a narrativa.

Há cenas de muita ação, comédia de rir à toa e tragédia para soluçar de choro. Não é à toa que está sendo considerado o melhor filme do Homem-Aranha já feito – há quem diga que seja o melhor filme do MCU. E de quebra ainda oferece uma conclusão para a primeira trilogia estrelada por Tom Holland e Zendaya, com direção de Jon Watts. Com tanto sucesso, nem precisavam anunciar, mas já está oficializado que este não é realmente o fim da história.

 

BECO DO PESADELO | STAR+

O novo espetáculo sombrio de Guillermo Del Toro (vencedor do Oscar por “A Forma da Água”) tem clima de terror, mas é o primeiro trabalho da carreira do cineasta que deixa de lado elementos sobrenaturais para focar apenas no pior da raça humana. A história é uma adaptação do livro homônimo de William Lindsey Graham, publicado em 1946 e que já foi transformado num clássico do cinema noir, batizado no Brasil como “O Beco das Almas Perdidas” (1947).

A trama gira em torno de um vigarista (Bradley Cooper, de “Nasce uma Estrela”) que entra num circo, aprende os truques de uma suposta vidente (Toni Colette, de “Hereditário”) e resolve aplicar golpes como um falso médium, com a ajuda de uma jovem assistente (Rooney Mara, de “Carol”). Tudo muda quando ele conhece uma psicóloga pilantra (Cate Blanchett, também de “Carol”) que grava as confissões de seus pacientes. E aí percebe que pode tornar seu truque ainda mais convincente e extorquir uma clientela milionária com estas informações. Cheio de estrelas, o resultado foi aclamado com quatro indicações ao Oscar.

 

FRESH | STAR+

O terrir elogiado pela crítica traz Daisy Edgar-Jones (“Normal People”) como uma jovem frustrada com a realidade desencantadora dos encontros por aplicativos, que conhece um bonitão no supermercado e logo se vê fisgada, embarcando em um relacionamento intenso. Tão intenso, que sofre uma reviravolta de psicopatia. Sebastian Stan (“Falcão e o Soldado Invernal) vive o par antirromântico do longa, que marca a estreia em longa-metragem de Mimi Cave, diretora de diversos clipes indies.

Exibido no Festival de Sundance, atingiu 81% de aprovação no Rotten Tomatoes.

 

CARANGUEJO NEGRO | NETFLIX

O filme de guerra pós-apocalíptica traz Noomi Rapace (“Prometheus”) como uma ex-patinadora olímpica alistada no combate visceral que dizimou a Europa. Durante um inverno longo e rigoroso, ela se junta a cinco soldados numa missão secreta, precisando patinar sobre o mar congelado, arriscando suas vidas, para transportar um pacote misterioso que pode acabar com o conflito. Só que para a patinadora a missão é sobre algo completamente diferente: salvar sua filha.

“Caranguejo Negro” é o primeiro longa escrito e dirigido pelo sueco Adam Berg. Ele se destacou como diretor de clipes de bandas como A-ha e Cardigans, além de ter produzido a série sci-fi “Contos do Loop” (Tales From The Loop), da Amazon.

 

SORTE DE QUEM? | NETFLIX

No suspense minimalista, Lily Collins (“Emily in Paris”) e Jesse Plemons (indicado ao Oscar 2022 por “Ataque dos Cães”) vivem um casal rico que é feito de refém em sua casa de campo por um assaltante com contas a ajustar. O ladrão é interpretado por Jason Segel (“How I Met Your Mother”) num de seus raros papéis dramáticos.

Segel também concebeu a história com o diretor Charlie McDowell, após os dois trabalharem juntos na sci-fi romântica “A Descoberta”, lançada pela Netflix em 2017. E o roteirista daquele filme, Justin Lader, deu o acabamento final na trama em parceria com Andrew Kevin Walker (do famoso suspense “Seven: Os Sete Crimes Capitais”).

 

ÁGUAS PROFUNDAS | AMAZON PRIME VIDEO

Ben Affleck (“Liga da Justiça”) e Ana de Armas (“Blade Runner 2049”) vivem um casamento quente e aberto na adaptação do suspense da famosa escritora Patricia Highsmith (“O Talentoso Ripley”, “Carol”) publicado em 1957. Enquanto ela se comporta como uma mulher sem amarras, ele se esforça ao máximo para disfarçar o ciúme crescente. Até que começam a surgir cadáveres de amantes e ele se torna o principal suspeito.

A história foi adaptada pelos roteiristas Sam Levinson (criador de “Euphoria”) e Zach Helm (“Mais Estranho que a Ficção”), e dirigida pelo veterano Adrian Lyne (“Atração Fatal”), que, curiosamente, estava afastado de Hollywood há uma década, desde o fracasso de um filme de temática muito similar – “Infidelidade” (2002).

Outro detalhe interessante é que o clima esquentou de verdade durante as filmagens, levando o casal de protagonistas a iniciar um relacionamento real nos bastidores – encerrado em janeiro do ano passado, antes de Affleck retomar seu antigo namoro com Jennifer Lopez. Mas a crítica não se entusiasmou como eles, considerando o filme morno, quase frio, com apenas 44% de aprovação no Rotten Tomatoes.

 

PEQUENA MAMÃE | VOD*

O novo filme da cineasta francesa Céline Sciamma (“Retrato de uma Jovem em Chamas”) retrata o luto sob o ponto de vista infantil. Combinando drama e fantasia, a trama acompanha uma menina de 8 anos chamada Nelly, que viaja com os pais ao campo para limpar a casa de sua avó recém-falecida. No fim do dia, a mãe some e a menina conhece outra criança da sua idade, que por coincidência tem o mesmo nome da sua mãe. As duas se tornam rapidamente amigas. Mas depois de ser convidada a visitar a casa dela, Nelly se choca ao ver que o lugar é a própria casa de sua avó falecida e que sua amiga é, na verdade, sua mãe na infância.

A fábula com elementos de viagem no tempo teve première no Festival de Berlim e venceu seis troféus internacionais, entre eles o Prêmio do Público do Festival de San Sebastián e o Prêmio da Crítica do Festival de Estocolmo. Além disso, encantou a crítica americana, atingindo 97% de aprovação no Rotten Tomatoes.

 

UMA LIÇÃO DE ESPERANÇA | NOW, VIVO PLAY, VOD*

O drama do ucraniano Vadim Perelman conta como um jovem judeu tenta escapar da morte num campo de concentração nazista ao fingir ser iraniano. Mas a farsa corre risco de ruir quando um comandante nazista decide convocá-lo a lhe ensinar a língua persa, fazendo com que ele precise inventar palavras para sobreviver. Baseado numa história real, o longa teve première no Festival de Berlim de 2020 e conta com 78% de aprovação no Rotten Tomatoes.

 

UM ELEFANTE SENTADO QUIETO | MUBI

Premiado no Festival de Berlim de 2018, o primeiro e único longa do diretor Hu Bo tem 96% de aprovação no Rotten Tomatoes, apesar de suas quase quatro horas de duração. É longo. E lento. E sem sorrisos. Uma jornada deprimente pelas margens da vida na China moderna, seguindo múltiplos personagens em uma cidade industrial, todos vítimas do egoísmo de outras pessoas. O tom sombrio reflete o estado de espírito do próprio diretor, que se matou após terminar o longa, aos 29 anos de idade. “Um Elefante Sentado Quieto” é seu epitáfio.

 

THE SPARKS BROTHERS | NOW, VIVO PLAY, VOD*

Primeiro documentário musical do diretor Edgar Wright (“Noite Passada em Soho”), a obra é uma homenagem de fã ao legado da banda Sparks, formada pelos irmãos Ron e Russell Mael em Los Angeles no ano de 1970.

Vanguardista e experimental, Sparks foi pioneiro na criação da música eletrônica e considerado um dos grupos musicais mais inovadores de todos os tempos, cuja influência pode ser traçada de Queen a Duran Duran, chegando até Suede e atualmente em The Killers e Franz Ferdinand. Ao mesmo tempo, também é uma das bandas mais subestimadas e pouco conhecidas do rock – apesar de ter lançado 25 álbuns.

Exibido no Festival de Sundance com 96% de aprovação da crítica americana, o documentário tenta fazer justiça ao legado dos irmãos Mael por meio do resgate de sua trajetória e depoimentos de artistas influenciados por suas músicas, como Beck, Björk, Giorgio Moroder, Nick Rhodes (Duran Duran), Jane Wiedlin (Go-Go’s), Vince Clarke (Erasure), Bernard Butler (Suede), Andy Bell (Ride), Alex Kapranos (Franz Ferdinand), Thurston Moore (Sonic Youth), Flea (Red Hot Chili Peppers), Tony Visconti (produtor de David Bowie) e muitos outros.

O lançamento coincide com a redescoberta da banda, que recebeu um raro reconhecimento por seu trabalho inovador com um prêmio especial no Festival de Cannes do ano passado, pela composição da trilha do filme musical “Annette”, de Leos Carax.

 

* Os lançamentos em VOD (video on demand) podem ser alugados individualmente em plataformas como Apple TV, Google Play, Loja Prime Video, Looke, Microsoft Store e YouTube, entre outras, sem necessidade de assinatura mensal.