Divulgação/Warner Bros.

“Batman” bate recordes na estreia nos EUA

O filme de “Batman” estrelado por Robert Pattinson estreou com um faturamento de US$ 128,5 milhões nos EUA e Canadá neste fim de semana. O resultado é um novo recorde pandêmico da Warner Bros e a segunda maior bilheteria de estreia dos últimos dois anos na América do Norte – isto é, desde o começo da pandemia em março de 2020.

A abertura doméstica, que só perde para o primeiro fim de semana de “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa”, também representa a superação de uma marca pessoal do diretor Matt Reeves. Até então, sua maior estreia tinha sido “Planeta dos Macacos: O Confronto”, com US$ 72,6 milhões em seus três dias inaugurais de julho de 2014.

Um grande incentivo à boa performance foi a aprovação generalizada. “Batman” foi bem recebido pela crítica, estabilizando sua aprovação em 85% no Rotten Tomatoes, após a publicação de 363 resenhas em inglês. Também atingiu nota A- no CinemaScore, a avaliação feita com o público na saída das sessões de cinema dos EUA.

O sucesso se estendeu ao exterior, onde a produção da Warner Bros. faturou praticamente o mesmo valor, com US$ 120 milhões arrecadados em 75 países. Isto representa uma bilheteria mundial de US$ 248,5 milhões.

“Batman” teve um desempenho internacional consistente, liderando as vendas em praticamente todos os países em que foi lançado. A produção, porém, não foi lançada na Rússia, devido ao boicote de Hollywood ao país em resposta à invasão da Ucrânia, e só vai estrear na China no dia 18.

Um detalhe que chama atenção é o fato de sua longa duração, de quase 3 horas, não ter afetado o faturamento. Mas isso tem uma explicação. Por render menos sessões diárias que a maioria dos concorrentes em cartaz – em termos de comparação direta, são 30 minutos a mais que “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa” – , algumas redes de cinema buscaram compensar essa diferença com a cobrança de ingressos mais caros.

Segundo o levantamento da empresa EntTelligence, “Batman” representou cerca de 80% da comercialização de ingressos na América do Norte durante o fim de semana, deixando o 2º lugar muito distante. “Uncharted – Fora do Mapa” faturou só 8,5% do total arrecado pelo filme do super-herói: US$ 11 milhões.

Este sucesso desproporcional também consolida a supremacia do gênero dos super-heróis em um momento em que os cinemas lutam contra a incerteza da pandemia para atrair público. As boas bilheterias das adaptações da Marvel e DC Comics são basicamente o que viabiliza o mercado cinematográfico neste momento, apesar de muitos cineastas que se dizem arautos do “cinema de verdade” reclamarem destes filmes.

A verdade é uma só: sem os filmes de super-heróis, o parque exibidor estaria falido e a elite de Hollywood não teria onde projetar seus filmes vistos por cada vez menos pessoas, restando-lhes apenas o streaming.