Divulgação/Disney

Filmes: “Encanto” é o melhor streaming de Natal

A Disney+ garante o Natal das crianças – e suas famílias – com o lançamento de “Encanto”, principal atração infantil desta sexta (24/12) em streaming.

Mas a maioria dos títulos do fim de semana são para um público mais crescidinho, do besteirol romântico “Lulli”, com Larissa Manoela, à crítica negacionista “Não Olhe para Cima”, com Leonardo DiCaprio, Jennifer Lawrence e grande elenco.

Veja abaixo os 10 melhores lançamentos da semana nas plataformas para esquecer do mundo e fingir que está nevando lá fora.

 

 

ENCANTO | Disney+

 

A segunda incursão animada da Disney pelo universo latino, após “Viva – A Vida é uma Festa” (Coco) em 2017, é um musical concebido pelo compositor Lin-Manuel Miranda. A trama gira em torno dos Madrigal, uma família extraordinária que mora numa casa mágica nas montanhas da Colômbia. Cada integrante da família é abençoada com um dom único, desde superforça até o poder de curar. Exceto Mirabel. E quando a magia começa a entrar em colapso, é justamente ela, a única Madrigal sem poderes sobrenaturais, que se torna a última esperança de seus parentes excepcionais.

Embora a perspectiva cultural latina ainda seja novidade para a Disney, o produto final é típico do estúdio: divertido, musical e lindamente animado.

A animação também confirma a supervalorização de Lin-Manuel Miranda em Hollywood. “Encanto” foi o quarto filme com suas digitais em 2021 – após “Em um Bairro em Nova York”, “Tick, Tick…Boom!” e outra animação, “Vivo: Um Amigo Show”. Já a direção ficou a cargo de Byron Howard e Jared Bush, co-diretores de “Zootopia”, em parceria com Charise Castro Smith – que faz sua estreia na função após uma carreira como roteirista de séries (de “Devious Maids” à “Maldição da Residência Hill”).

 

 

NÃO OLHE PARA CIMA | Netflix

 

A superprodução de fim de ano da Netflix chama atenção pelo elenco estelar, com Leonardo DiCaprio (vencedor do Oscar por “O Regresso”) e Jennifer Lawrence (vencedora do Oscar por “O Lado Bom da Vida”) tentando alertar o mundo sobre a aproximação de um cometa capaz de destruir a Terra.

Escrito e dirigido por Adam McKay (vencedor do Oscar por “A Grande Aposta”), a comédia apocalíptica, que ainda destaca Meryl Streep (vencedora do Oscar por “A Dama de Ferro” e outros), Jonah Hill (“O Lobo de Wall Street”), Cate Blanchett (“Thor: Ragnarok”), Timothée Chalamet (“Me Chame pelo seu Nome”) e até a cantora Ariana Grande (“Sam & Cat”) em seu elenco, não agradou muito a crítica americana, como atesta a aprovação de 55% (medíocre) no Rotten Tomatoes. Mas deve causar efeito oposto no Brasil, onde as comparações com o negacionismo bolsonarista aumentam sua importância, dão profundidade à sátira e praticamente garantem repercussão.

 

 

BEING THE RICARDOS | Amazon Prime Video

 

O drama de época transforma Nicole Kidman (“Nove Desconhecidos”) e Javier Bardem (“Duna”) em Lucille Ball e Desi Arnaz, casal icônico que estrelou o famoso sitcom “I Love Lucy” (1951-1957). Mas o grande atrativo da produção é o roteiro do diretor Aaron Sorkin (“Os 7 de Chicago”), que conjura a lendária estrela de TV em diálogos afiados, tão bons que distraem da aparência botocada de Kidman e do fato de Bardem não parecer nada com Arnaz.

A trama se desenrola durante uma semana de produção de “I Love Lucy”, quando Lucy e Desi enfrentam uma crise que pode encerrar suas carreiras e seu casamento, após a ruiva mais famosa dos EUA ser acusada de vermelha – não pela cor dos cabelos, mas por supostamente ser comunista. Hoje uma piada, a acusação ridícula no auge da caça às bruxas em Hollywood abalou o prestígio da estrela em 1952, e o resgate dessa história serve para lembrar ao público contemporâneo a loucura perigosa que acompanha a chegada da extrema direita ao poder, além de discutir a cultura do cancelamento numa época em que nem havia Twitter.

 

 

LULLI | Netflix

 

Em sua terceira comédia na Netflix – depois de “Modo Avião” (2020) e “Diários de Intercâmbio” (2021) – Larissa Manoela embarca no humor fantasioso, como uma médica residente que toma um choque e passa a ouvir os pensamentos de todos ao seu redor. A premissa faz uma grande descoberta: que o nome do meio da Dra. Meredith Grey é Jean. Pois é basicamente “Grey’s Anatomy” com Jean Grey, a telepata dos X-Men, uma médica romântica com poderes mutantes.

O filme também marca uma nova parceria da atriz com a escritora Thalita Rebouças após “Fala Sério, Mãe!” (2017). Desta vez, porém, não se trata da adaptação de um livro, mas um roteiro original escrito em parceria com Renato Fagundes (“Modo Avião”). Para completar, volta a juntar Larissa com o diretor de “Modo Avião”, César Rodrigues.

 

 

PREDADORES ASSASSINOS | Netflix

 

Tenso do começo ao fim, o thriller de Alexandre Aja (“Piranha”) mostra a luta de uma jovem (Kaya Scodelario) para resgatar o pai, gravemente ferido no porão de sua casa, durante um imenso furacão. Não bastasse o nível da água subir sem parar, inundando o local, ela também precisa enfrentar inimigos inesperados: gigantescos crocodilos que chegam com as águas. Simples e muito bem feito, virou um dos suspenses favoritos de Quentin Tarantino.

 

 

AMEAÇA PROFUNDA | Star+

 

Este terror submarino foi bastante subestimado em seu lançamento nos cinemas. Na trama, após um tremor comprometer suas instalações submarinas, um grupo de cientistas precisa lutar pela sobrevivência contra ameaças que inadvertidamente liberaram ao perfurar o fundo do mar.

Claramente inspirado em “Aliens”, sai-se melhor que todas as outras produções de “aliens nas profundezas” (inclusive “O Segredo do Abismo”, do próprio diretor de “Aliens”, James Cameron) e ainda tem um elenco interessantíssimo, encabeçado por Kristen Stewart (“Spencer”), Vincent Cassel (“Jason Bourne”) e Jessica Henwick (“Matrix Resurrection”).

 

 

FOURTEEN | MUBI

 

O drama indie escrito e dirigido por Dan Sallitt é uma lição sobre a amizade, e como a passagem do tempo pode mudar os laços e a visão que temos de velhos amigos. A trama acompanha duas grandes amigas de infância que tem reações diferentes à vida adulta. Enquanto a mais genial e expansiva tem dificuldades de manter emprego, a mais tímida e focada segue firme em seu projeto de vida. Mas logo fica claro que o problema da primeira, cada vez mais disfuncional, pode ter raízes mais profundas que a imaturidade. Venceu vários prêmios, inclusive o de Melhor Roteiro no Gotham Awards, a premiação de cinema independente de Nova York.

 

 

BADEN BADEN | MUBI

 

A estreia da diretora francesa Rachel Lang segue uma jovem de espírito livre de 26 anos, que volta para casa em Estrasburgo depois de morar no exterior por tempo suficiente para se sentir deslocada em todos os lugares. A atriz Salomé Richard (“Memórias da Dor”) brilha como a protagonista, que é totalmente andrógina e ainda assim apaixona todos os homens ao seu redor.

 

 

STAND BY ME DORAEMON | Netflix

 

STAND BY ME DORAEMON 2 | Netflix

 

Os dois filmes mais recentes de Doraemon chegam juntos na véspera da Natal. Eles adaptam os primeiros mangás criados por Fujiko F. Fujio em 1969, mostrando as confusões do gato robô enviado do futuro para cuidar de uma criança, Nobita Nobi, com o objetivo de ajudá-lo a cumprir seu destino – entre outras coisas, melhorar as notas na escola e casar-se com sua melhor amiga Shizuka Minamoto quando crescer.

Lançado em 2014, “Stand by Me Doraemon” foi a primeira animação computadorizada do gatão, após vários episódios de anime e longas bidimensionais. E depois do sucesso da origem de Doraemon, premiada como Melhor Animação do Japão, a história continuou em 2020 com o segundo filme, em que Nobita resolve ir ao futuro assistir seu casamento, causando vários desastres.

Os dois filmes têm direção de Takashi Yamazaki (da animação “Lupin III: O Primeiro”) e Ryuichi Yagi (do game “Resident Evil Zero”).