Divulgação/Warner

Katherine Waterston entra na 2ª temporada de “Perry Mason”

A atriz Katherine Waterston (da franquia “Animais Fantásticos”) entrou no elenco da 2ª temporada da série “Perry Mason”, da HBO.

Ela vai interpretar Ginny Aimes, a professora dos sonhos de todos os pais – e do filho de Perry Mason (Matthew Rhys) – , enquanto a sinopse, que a descreve como um raio de sol que aquece Mason, sugere um possível romance ilícito.

Além de Waterston, as novidades da 2ª temporada incluem Peter Mendoza (“NCIS”), Hope Davis (“Love Life”), Jon Chaffin (“BMF”), Fabrizio Guido (“Mr. Iglesias”), Onohoua Rodriguez (“The Shield”) e Jee Young Han (“Zoey’s Extraordinary Playlist”).

A trama vai se passar alguns meses após o julgamento do caso Dodson, visto na 1ª temporada, com Perry se mudando da casa na fazenda e trocado sua jaqueta de couro por um terno bem passado.

Apesar disso, a história se passa no pior ano da Depressão, o que faz Perry e Della (Juliet Rylance) buscarem casos civis para sua firma, abandonando o trabalho criminal. Infelizmente, não há muito trabalho para Paul (Chris Chalk) em testamentos e contratos, então ele fica por conta própria. Mas um caso proeminente acaba domina a atenção de Los Angeles, e a constante busca de justiça da parte de Perry revela que nem tudo é o que parece.

O revival de “Perry Mason” foi desenvolvido pelos roteiristas Rolin Jones e Ron Fitzgerald (ambos de “Friday Night Lights”) para a Team Downey, a produtora do ator Robert Downey Jr., que antes de fazer a série chegou a considerar uma adaptação cinematográfica.

O maior atrativo da atração é justamente a possibilidade de explorar sua encenação nos anos 1930, época dos primeiros livros do personagem, criado por Erle Stanley Gardner. Essa característica não chamou atenção nos filmes e séries anteriores, porque eram contemporâneos dos livros – os sete longas de “Perry Mason” foram lançados entre 1934 e 1940 e a série imensamente popular, que consagrou o ator Raymond Burr, foi ao ar de 1957 e 1966. As histórias eram contemporâneas porque Gardner só parou de escrever os casos do mais famoso advogado da literatura ao morrer em 1970 – ele até apareceu no último episódio da série clássica, em 1966.