Divulgação/Sony

“Venom – Tempo de Carnificina” chega a 85% de todos os cinemas brasileiros

“007” pode ter ficado “Sem Tempo para Morrer”, porque a partir desta quinta (7/10) é “Tempo de Carnificina” nos cinemas brasileiros. “Venom: Tempo de Carnificina” tem uma das maiores estreias do ano, com lançamento em 1,7 mil cinemas, o equivalente a 85% de todo o circuito exibidor em funcionamento no país.

A distribuição ampla acontece uma semana após o filme quebrar o recorde de maior abertura da pandemia nos EUA e Canadá. Para repetir o fenômeno no país, além do monopólio de telas, conta com o entusiasmo dos fãs dos quadrinhos e com o feriadão de 12 de outubro. Mas é bom apontar que a crítica não ecoou os números positivos da bilheteria, considerando a continuação medíocre (57% no Rotten Tomatoes).

“Venom: Tempo de Carnificina” funciona como uma comédia pastelão, que destaca a convivência forçada entre um par incompatível, Eddie Brock e seu simbionte, com ênfase no humor físico do ator Tom Hardy. Juntam-se a isso muitos efeitos visuais e Woody Harrelson (“Zumbilândia”) no papel do vermelhão Carnificina e o resultado debochado é impossível de ser levado a sério. Dá certo apenas porque a direção, a cargo de Andy Serkis (“Mogli: Entre Dois Mundos”), assume o absurdo de todas as situações, sem temer o ridículo.

Entre as demais estreias, há outra adaptação de quadrinhos. “A Princesa da Yakuza” é baseada em “Samurai Shirô”, de Danilo Beyruth, e algumas de suas cenas tem até mais ação que “Venom”, mas o cinema brasileiro ainda tem dificuldades com o gênero. O ritmo arrastado não agradou nos EUA (37% no RT), mas é preciso admitir que o diretor Vicente Amorim (que já tinha filmado obra de Danilo Beyruth em “Motorad”) é esforçado.

A trama gira em torno de uma jovem, interpretada pela cantora nipo-americana Masumi em sua estreia nos cinemas, enviada ao Brasil ainda bebê após uma guerra entre facções da Yakuza. Vinte anos depois, em São Paulo, ela descobre que herdou um clã da máfia japonesa, mas terá que sobreviver àqueles que não pretendem servi-la. Em sua luta, ela recebe ajuda de um homem misterioso (Jonathan Rhys Meyers, de “The Tudors”) para enfrentar os membros da Yakuza que querem sua morte.

No circuito mais limitado, o grande destaque é a produção franco-tunisiana “O Homem que Vendeu Sua Pele”, premiado no Festival de Veneza e indicado ao Oscar de Melhor Filme Internacional. Dirigido pela tunisiana Kaouther Ben Hania (“A Bela e os Cães”), o filme propõe muitos questionamentos sobre a sociedade moderna, a partir da história de um imigrante sírio que, para ir à Europa, aceita ter suas costas tatuadas por um artista plástico famoso e ser exposto como obra de arte. O processo de desumanização em troca de uma ilusória liberdade rendeu 91% de críticas positivas no Rotten Tomatoes.

Com lançamento apenas simbólico, “O Fio Invisível” chega em pouquíssimas telas uma semana antes de ser disponibilizado na Netflix. Terror psicológico da premiada cineasta peruana Claudia Llosa, vencedora do Festival de Berlim por “A Teta Assustada” (2010), a trama acompanha uma mãe solteira que precisa lidar com traumas, pânico ambiental e um mistério sobrenatural.

Completa a lista um drama militante anti-aborto, considerado mais propaganda que filme e responsável por uma das maiores rejeições do ano no Rotten Tomatoes – só 14% dos críticos americanos aprovaram.

Confira abaixo os trailers de todas as estreias da semana nos cinemas brasileiros.

 

 

Venom – Tempo de Carnificina | EUA | Ação

 

 

A Princesa da Yakuza | Brasil | Ação

 

 

O Homem que Vendeu Sua Pele | Tunísia, França, Bélgica | Drama

 

 

O Fio Invisível | Chile, Peru, Espanha | Drama

 

 

O Direito de Viver | EUA | Drama