Instagram/Frances Fisher

Tiros já tinham sido disparados no set “caótico” em que diretora de fotografia morreu

Detalhes dos bastidores do filme “Rust”, que viraram cenário de uma tragédia após o ator Alec Baldwin atirar acidentalmente com uma arma carregada e matar a diretora de fotografia Halyna Hutchins, começam a ser revelados pela imprensa especializada de Hollywood.

Em reportagens publicadas nesta sexta (22/10), a revista Variety definiu o set de filmagem como um lugar “caótico” e sem segurança, o site TMZ publicou a gravação do chamado de emergência e o jornal Los Angeles Times apurou o relato de outros tiros disparados antes da fatalidade, que também resultou em ferimento do diretor Joel Souza.

De acordo com a Variety, os trabalhadores que faziam parte do IATSE, sindicato dos funcionários de produção, alegaram falta de segurança para as filmagens após verificarem repetidos problemas.

“Rust” começou a ser filmado em 6 de outubro no rancho Bonanza Creek, perto de Sante Fé, no Novo México, e os membros do IATSE observaram desde o começo que havia falhas em seguir os protocolos contra a covid-19 e pouca segurança na manipulação das armas.

O tiroteio fatal teria ocorrido cerca de seis horas após a saída dos membros sindicalizados do local. Seguranças da produção foram chamados para expulsá-los após eles se recusarem a trabalhar nas condições em que a filmagem se encontrava.

Divulgada pelo TMZ, a ligação para o número de emergência, feita após o acidente, traz uma integrante da equipe culpando uma pessoa pelo disparo fatal. A mulher que ligou, que se identificou com supervisora de roteiro, disse não saber se a arma estava carregada com uma bala real, mas culpou o assistente de direção, identificado pelas iniciais A.D. (assistant director, em inglês).

“Eles simplesmente fod****! A.D gritou comigo no almoço, falando sobre revisões. Esses filhos da pu**… Você o viu vir até minha mesa e gritar comigo? Ele deveria verificar as armas. Ele é o responsável pelo que aconteceu”, registra a gravação.

Por sua vez, o jornal Los Angeles Times apurou que já havia ocorrido outra falha de tiro antes da tragédia.

Pelo menos um dos operadores de câmera reclamou no último fim de semana com um gerente de produção sobre a falta de segurança em relação às armas no set. Ele fez isso após um dublê de Alec Baldwin disparar acidentalmente dois tiros com balas reais no sábado (16/10) ao ser informado de que a arma estava “fria” – jargão para definir uma arma sem munição.

“Deveria ter havido uma investigação sobre o que aconteceu”, disse um integrante da equipe ouvido pelo jornal. “Mas não houve reuniões de segurança. Por isso, não havia garantia de que isso não pudesse acontecer novamente. Tudo o que eles queriam fazer era apressar, apressar e apressar.”

Uma mensagem de texto enviado para o gerente de produção, obtida pelo LA Times, chegou a alertar: “Já tivemos 3 disparos acidentais. Isso é superinseguro”.

Após a tragédia, várias pessoas identificadas como membros da equipe de “Rust” afirmaram que a produção foi mal-financiada e não teve supervisão suficiente.

Questionados sobre as reclamações, os produtores de “Rust” divulgaram um comunicado afirmando que não tinham conhecimento das queixas, mas que conduziriam uma “revisão interna” de todos os procedimentos.

“A segurança de nosso elenco e equipe é a principal prioridade da Rust Productions e de todos os associados à empresa. Embora não tenhamos sido informados de nenhuma reclamação oficial relativa à segurança de armas no set, estaremos conduzindo uma revisão interna de nossos procedimentos enquanto a produção é encerrada. Continuaremos a cooperar com as autoridades de Santa Fé em sua investigação e oferecer serviços de saúde mental para o elenco e a equipe durante este período trágico”, diz um comunicado da empresa responsável pela produção, identificada como Rust Movie Productions LLC.