blank Divulgação/Netflix

Round 6: Sucesso sul-coreano é acusado de plágio e uso de telefone real

A série sul-coreana “Round 6” (Squid Game) virou assunto mundial após seu lançamento na Netflix em 17 de setembro. O próprio Ted Sarandos, chefão de conteúdo da plataforma, revelou nesta semana que ela deve se tornar uma das mais vistas do serviço de streaming em todos os tempos.

Mas o sucesso também veio acompanhado por polêmicas, desde acusação de plágio até o uso de dados de pessoas reais.

Na trama, um grupo de 456 competidores aceitam participar de um jogo que dará ao vencedor um prêmio de 45,6 bilhões de wons (cerca de R$ 206 milhões). As disputas são baseadas em brincadeiras infantis do país asiático, mas que, antes que os participantes sejam avisados, se transformaram em jogos sanguinários de vida ou morte.

A ideia lembra muitas outras aventuras distópicas, de “O Sobrevivente” (1987) a “Jogos Mortais” (2012), mas os fãs de mangás apontaram que a criação do cineasta sul-coreano Hwang Dong-hyuk (“A Fortaleza”) seria cópia de “As the Gods Will”, mangá de Muneyuki Kaneshiro publicada em 2011, que virou um filme sangrento do famoso diretor japonês Takashi Miike em 2014.

As semelhanças são claras. Nas duas histórias, a luta por sobrevivência acontece por meio da disputa de jogos infantis. E há detalhes idênticos em algumas cenas.

Em sua defesa, Dong-hyuk afirmou que já tinha o roteiro na gaveta desde 2008, mas só conseguiu emplacar o projeto quando a Netflix se interessou. Além disso, ele aponta que apenas o primeiro jogo da série é parecido com o mangá. Dali para frente, não há nada similar.

As controvérsias em torno da série também incluem o uso de dados reais na trama. Um espectador afirmou num fórum que os dados de uma conta bancária exibida na trama são reais. Para comprovar, ele teria transferido dinheiro para a conta em questão, sugerindo que os dados foram usados sem permissão.

Os produtores negaram esta possibilidade.

Entretanto, um número de telefone, que aparece logo no começo da história, provou-se comprovadamente real. O número existe e vários fãs de “Round 6” tem ligado para ele, causando problemas para a proprietária do telefone, uma mulher coreana, que passou a receber ligações e mensagens constantes.

O portal Koreaboo revelou que o proprietário do telefone tem o número há mais de 10 anos e ficou bastante surpresa (e incomodada) com a quantidade de contatos que passou a receber, 24 horas por dia, desde a estreia da série.

Ainda segundo o portal, a Netflix teria feito contato com ele, oferecendo-lhe uma indenização monetária e sugerindo que trocasse de número. Mas a pessoa alega não poderia fazer a troca, porque usa o número para seus negócios e isso lhe faria perder clientes.

O sucesso de “Round 6” também esbarra em outro problema, desta vez de natureza criativa. Os fãs claramente querem continuar a explorar o mundo da série. Entretanto, Hwang Dong-hyuk revelou que não tem a menor ideia do que seria uma 2ª temporada da atração.

Veja abaixo as comparações de cenas entre “Round 6” e a adaptação cinematográfica de “As the Gods Will”