Divulgação/Warner

“O Esquadrão Suicida” estreia em mais cinemas que “Viúva Negra”

A principal estreia de cinema da semana é também uma das melhores adaptações de quadrinhos da DC Comics. Escrito e dirigido por James Gunn (de “Guardiões da Galáxia”), “O Esquadrão Suicida” só lembra o primeiro “Esquadrão Suicida” na escalação de quatro personagens, que repetem os mesmos atores. De resto, é impressionante que a DC tenha dado tanta liberdade ao diretor para fazer o que faz na tela.

Aparentemente, o estúdio aprendeu com “Coringa” que o segredo desses filmes é a liberdade criativa. E Gunn ficou livre e solto para fazer o filme trash mais caro de todos os tempos. Egresso da Troma, produtora do super-herói do lixo, “O Vingador Tóxico”, Gunn mostra como um grande orçamento pode ser usado para replicar o estilo sangrento e desbocado dos títulos de diversão barata de era do VHS. Seu “O Esquadrão Suicida” é “O Vingador Tóxico” da DC Comics, e deixa “Deadpool” parecendo filme para crianças. É, em suma, uma grande diversão que Gunn jamais poderia criar na Marvel.

Com lançamento em 1,6 mil salas (maior que “Viúva Negra”), o blockbuster da Warner deixa pouco espaço para as demais estreias, que acontecem em circuito limitado. A programação traz mais seis filmes, todos brasileiros (incluindo coproduções), espremidos em poucos cinemas.

“Abe”, estrelado pelo ator mirim Noah Schnapp (o Will de “Stranger Things”), é a opção mais acessível. Ele vive o personagem do título, que sonha ter um jantar sem brigas com a mãe israelense e o pai palestino. Aprendendo a cozinhar com um chef de cozinha brasileiro (Seu Jorge, de “Irmandade”), que faz acarajé nas feiras gastronômicas de Nova York, seu plano é servir uma refeição tão boa que acabe com todas as discussões. Dirigido por Fernando Grostein Andrade (de “Quebrando o Tabu” e “Coração Vagabundo”), agradou a crítica americana (70% no Rotten Tomatoes) e até venceu alguns prêmios em festivais menores dos EUA.

Entre os cinéfilos, o título mais esperado é “Piedade”, de Cláudio Assis (“Febre do Rato”), premiado no Festival de Brasília e que comprova que Cauã Reymond é realmente um senhor ator, além de mostrar o talento que todos já conhecem de Matheus Nachtergaele. Com cenas fortes de relacionamento homoafetivo, o longa aumenta a voltagem da filmografia do diretor pernambucano, sempre erótica, violenta e voltada às margens sociais. Cinema para adultos, que ainda destaca a icônica Fernanda Montenegro.

Mas a verdade é que todos os títulos merecem atenção.

Exibido no Festival de Berlim, “Vento Seco”, de Daniel Nolasco (de vários curtas LGBTQIA+), vai ainda mais longe na temática gay com belíssima fotografia – embora algumas imagens busquem repelir o olhar. “Doutor Gama”, de Jeferson Dê (“M-8: Quando a Morte Socorre a Vida”), oferece praticamente uma lição de História sobre a vida de Luiz Gama, ex-escravo que se tornou um dos maiores abolicionistas do Brasil. “O Diabo Branco” marca a estreia do ator Ignacio Rogers (“Estuário”) com a fórmula do terror de viagem ao interior. E ainda há um documentário sobre a Mangueira, assinado pela veterana Ana Maria Magalhães, estrela de vários clássicos dos anos 1970, que iniciou uma carreira paralela de cineasta desde aquela época.

Veja abaixo os trailers de todas as estreias da semana.

 

 

O Esquadrão Suicida | EUA | Super-Heróis

 

 

Abe | EUA, Brasil | Drama

 

 

Piedade | Brasil | Drama

 

 

Doutor Gama | Brasil | Drama

 

 

Vento Seco | Brasil | Drama

 

 

O Diabo Branco | Argentina, Brasil | Terror

 

 

Mangueira em 2 Tempos | Brasil | Documentário