Divulgação/Warner

Diretor do primeiro “Esquadrão Suicida” culpa Warner por destruir filme

Após os elogios rasgados da imprensa norte-americana a “O Esquadrão Suicida” de James Gunn, o diretor do primeiro “Esquadrão Suicida”, David Ayer, resolveu manifestar todo o seu descontentamento contra a Warner, a quem culpa pelo resultado do péssimo filme de 2016.

Num desabafo em que conta sua própria trajetória a partir do suicídio do pai, sua infância passada em orfanatos e até prisão, Ayer afirma que colocou sua vida no filme, apenas para vê-la descartada pelo estúdio. Ele acusa a Warner de ter forçado uma nova edição que afetou toda a obra, que ele não reconhece como sua.

“Eu pus minha vida a ‘Esquadrão Suicida’. Eu criei algo incrível – a minha versão é uma jornada intrínseca e emocionante com algumas ‘pessoas más’ que levam a pior e são descartadas. A versão do estúdio não é o meu filme. Leia isto de novo”, escreveu o diretor, em sua carta aberta, publicada nas redes sociais.

Ayer diz que a sua versão é uma “edição madura editada por Lee Smith junto com o trabalho incrível de John Gilroy”. E garante, ainda, que toda a trilha sonora continha apenas músicas do compositor Steven Price, sem nenhuma música pop.

“[A minha versão] tem construções de personagem tradicionais, performances maravilhosas, uma resolução sólida do terceiro ato. Pouquíssimas pessoas a assistiram. Se alguém disser que a assistiu, não a assistiu”, continuou. “Eu nunca contei o meu lado da história e nunca irei. Por quê? Eu mantenho as minhas convenções”, diz, ligando seu silêncio ao que aprendeu no serviço militar que prestou na juventude.

Apesar do desabafo pouco específico, ele declarou seu apoio ao próximo filme da franquia e, por incrível que pareça, ao próprio estúdio. “Estou orgulhoso de James [Gunn] e animado pelo sucesso que está vindo. Eu apoio a WB [Warner Bros] e estou emocionado que a franquia está conquistando o que precisa. Estou torcendo por todos, o elenco, a equipe. Todo filme é um milagre. E o trabalho brilhante do James será o milagre dos milagres”.

“Agradeço sua paciência. Não irei mais falar publicamente desse assunto”, finalizou Ayer, que vem falando do assunto desde o lançamento do filme em 2016 – primeiro negando, depois confirmando e finalmente denunciando interferência do estúdio.

O novo “O Esquadrão Suicida”, de James Gunn, chega aos cinemas brasileiros na próxima quinta-feira, dia 5 de agosto.