Divulgação/HBO Max

DC vetou sexo oral de Batman em série da Arlequina

A série animada da “Arlequina” foi produzida para o público adulto. Mas se isso permitiu muito violência, não liberou sexo. O co-criador do desenho, Justin Halpern, afirmou que executivos da DC vetaram uma cena de sexo oral entre Batman e Mulher-Gato, “recomendando” que ela fosse removida da vindoura 3ª temporada da animação.

Em entrevista para a revista Variety, Halpern contou que censura foi uma exigência de marketing, “pois, segundo a DC, seria difícil vender um boneco do Batman quando ele aparece na televisão fazendo sexo oral na Mulher-Gato”, contou Halpern. “Eles me disseram ‘você absolutamente não pode fazer isso, já que heróis não fazem isso’”.

Apesar disso, Halpern disse que não teve mais problemas e pôde criar uma animação divertida, que dá mais foco aos vilões, e não aos heróis da DC. “Isso permite que a série faça coisas diferentes com os personagens, coisas que os heróis simplesmente não podem fazer”. Aparentemente, isso inclui sexo oral.

Lançada com o nome em inglês da Arlequina, “Harley Quinn”, a animação destaca a dublagem de Kaley Cuoco (a Penny de “Big Bang Theory”) no papel-título e Lake Bell (“Bless This Mess”) como a voz de Hera Venenosa (Poison Ivy). As duas chegam a se beijar na 2ª temporada.

Outros personagens incluem o Coringa e o Carro de Barro, ambos dublados por Alan Tudyk (“Patrulha do Destino”), o Charada com a voz de Jim Rash (“Community”), o Pinguim de Wayne Knight (o Newman de “Seinfeld”) e o Batman de Diedrich Bader (“Veep”).

Violento e engraçado, o desenho não é uma criação do time das animações da DC Comics, responsável pela criação da Arlequina, mas dos produtores da subestimada série de comédia da DC “Powerless”, Justin Halpern, Patrick Schumacker e Dean Lorey.

Inéditas no Brasil, as duas primeiras temporadas vão chegar por aqui no lançamento da plataforma HBO Max, marcado para o dia 29 de junho.