Divulgação/CBS

“Clarice” vai para a Paramount+ na 2ª temporada

A Paramount+ vai receber a 2ª temporada de “Clarice”. A série derivada do filme “O Silêncio dos Inocentes” (1991) vai se juntar a “Evil” e “SEAL Team”, que também estão trocando a TV aberta pelo streaming, saindo da rede CBS para continuar na plataforma do conglomerado ViacomCBS.

“Quando desenvolvemos o projeto, presumimos que seria um programa de streaming”, disse a co-criadora de “Clarice”, Jenny Lumet, durante o anúncio original da série, confessando que foi convencida a enquadrar a produção nos limites da TV convencional para sua exibição na CBS. Mas algo não encaixou bem, porque nem crítica nem público se entusiasmaram.

Com apenas 36% de aprovação no Rotten Tomatoes e uma média de 3,1 milhão de telespectadores ao vivo, a 1ª temporada de “Clarice”, que tem apenas mais um episódio inédito, chega ao fim como a pior avaliada e como a menor audiência dramática do canal americano.

“Clarice” é uma criação de Alex Kurtzman e Jenny Lumet, que atualmente trabalham juntos em “Star Trek: Discovery”. Jenny é a filha do lendário cineasta Sydney Lumet (“Um Dia de Cão”) e iniciou sua parceria com Kurtzman ao escrever “A Múmia” (2017), fracasso dirigido pelo produtor. Por curiosidade, ela também trabalhou com o falecido diretor de “O Silêncio dos Inocentes”, Jonathan Demme, como autora do roteiro de “O Casamento de Rachel” (2008).

A série traz a australiana Rebecca Breeds, que viveu uma vampira vingativa na serie “The Originals”, no papel-título. Ela é a terceira intérprete de Clarice Starling nas telas. Além de Jodie Foster, que venceu seu segundo Oscar de Melhor Atriz pelo papel em “O Silêncio dos Inocentes”, a personagem criada pelo escritor Thomas Harris também foi interpretada por Julianne Moore na continuação daquele filme, “Hannibal” (1999).

A trama, que se passa após os eventos de “O Silêncio dos Inocentes”, ignora o filme “Hannibal” e até mesmo o próprio Hannibal Lecter. É que os direitos dos personagens do longa de 1991 estão divididos entre as produtoras MGM e Dino De Laurentiis Company, de modo que a nova série, produzida pela MGM para a rede CBS, não pode referenciar quem apareceu na série “Hannibal”, produção da Dino de Laurentiss para a rede NBC.

Por outro lado, “Clarice” traz todos os personagens que não apareceram em “Hannibal”, e isto inclui, além de Clarice Starling, sua colega Ardelia Mapp, o procurador-geral adjunto Paul Krendle, o serial killer Buffalo Bill e a garota sequestrada que ela salvou, Catherine Martin. Eles são vividos por Devyn A. Tyler (“Fear the Walking Dead”), Michael Cudlitz (“The Walking Dead”), Simon Northwood (“Code 8: Renegados”) e Marnee Carpenter (“Painter”), respectivamente

As idas de “Clarice”, “Evil” e “SEAL Team” para a Paramount+ coincidem com a decisão da ViacomCBS de apostar numa programação mais conservadora na TV aberta, enfatizada pela encomenda de novos spin-offs de franquias estabelecidas, como “CSI”, “NCIS” e “FBI”, que ganharão novas séries a partir do outono norte-americano (nossa primavera) na rede CBS.