Instagram/The Weeknd

The Weeknd anuncia boicote eterno ao Grammy

O cantor canadense The Weeknd (nome artístico de Abel Tesfaye) anunciou que boicotará os Grammy Awards pelo resto da vida. Ele disse não vai não mais participar como artista, comparecer à cerimônia como convidado ou submeter suas músicas para a premiação, após ser boicotado pela Academia Fonográfica no Grammy de 2021.

“Por causa dos comitês secretos, não permitirei mais que minha gravadora envie minha música ao Grammy”, disse The Weeknd em um comunicado enviado à imprensa nesta quinta-feira (11/3).

Apesar do sucesso do mais recente álbum do artista, “After Hours”, considerado um dos melhores discos do ano passado pela crítica especializada e celebrado nos últimos MTV Music Video Awards e American Music Awards, The Weeknd não foi indicado em nenhuma categoria na premiação da indústria.

“Os Grammys continuam corruptos. Vocês devem para mim e para meus fãs uma maior transparência da indústria…”, ele tuitou após o anúncio das nomeações em novembro passado.

Em janeiro, ele fez uma alusão ao boicote no clipe da música “Save Your Tears”, onde apareceu cantando numa festa esquisita e sendo completamente ignorado. A certa altura, ele segura um balde de champanhe com aparência de troféu e o joga fora.

Não se trata de atitude de “mau perdedor”. Vários artistas se juntaram a The Weeknd durante seu desabafo original, afirmando que ele estava coberto de razão.

Em sua declaração à imprensa, o próprio presidente da Academia Fonográfica, Harvey Mason Jr. (substituto de uma presidente demitida no ano passado), também se disse surpreso por o disco de The Weeknd ter sido ignorado: “Sua música este ano foi excelente, e suas contribuições para a comunidade musical e o mundo em geral são dignas da admiração de todos. Ficamos emocionados quando descobrimos que ele se apresentaria no Super Bowl e adoraríamos tê-lo também no palco do Grammy”.

Em resposta, The Weeknd contou que vinha planejando sua apresentação no Grammy “por semanas” antes de descobrir que não tinha recebido nenhuma indicação. “Planejando uma apresentação de forma colaborativa por semanas para não ser convidado? Na minha opinião, zero nomeações = você não foi convidado!”, ele tuitou.

A rejeição do cantor aconteceu no ano em que sua música “Blinding Lights” dominou as paradas de sucesso e ele se apresentou como atração principal do show do intervalo do Super Bowl. A apresentação repercutiu tanto que vai ganhar documentário.

Aconteceu também depois de Deborah Dugan ser demitida como presidente da Academia, após fazer várias denúncias internas sobre corrupção e abusos – incluindo sexuais – de membros da instituição. Em sua saída, ela tornou algumas das denúncias públicas, inclusive que os “comitês secretos” mencionados por The Weeknd são formados por pessoas que representam ou têm relacionamentos com os artistas indicados, e que a própria Academia força esses comitês a escolher artistas que gostaria que se apresentassem ao vivo no evento.

Dugan processou a Academia e, por isso, a discussão sobre os bastidores da organização se tornaram segredo de Justiça.

Wassim Slaiby, o empresário de The Weeknd, disse à revista Variety que espera que a atitude do cantor inspire outros artistas a fazer o mesmo, forçando a Academia a adotar maior transparência e acabar com os “comitês secretos” e indicações por interesse comercial.

“O Grammy deve cuidar de seu legado e limpá-lo para elevar seu prêmio a um nível em que todos possam se orgulhar de vencê-lo”, disse ele.

A premiação de 2021 vai acontecer no domingo (14/3), a partir das 22h, com transmissão ao vivo no Brasil pelo canal pago TNT.