Divulgação/Lucasfilm

Gina Carano é demitida de O Mandaloriano

A atriz Gina Carano, que interpreta a rebelde Cara Dune na série “O Mandaloriano” (The Mandalorian), já vinha chamando atenção há algum tempo por postar mensagens negacionistas e ofensivas nas redes sociais. Mas nesta quarta-feira (11/2) ela se envolveu numa polêmica tão grande que terminou o dia desempregada e sem empresário. Ela foi demitida da atração da plataforma Disney+ (Disney Plus).

Um comunicado da produtora da série avisou que ela “não está empregada atualmente pela Lucasfilm e não há planos para ela no futuro”.

A nota não ficou no informe burocrático, explicando o motivo dela não fazer mais parte do universo de “Star Wars”: “Suas postagens nas redes sociais atacando pessoas com base em suas identidades culturais e religiosas são repugnantes e inaceitáveis.”

Até terça, ela estava cotada para protagonizar um spin-off de “O Mandaloriano”, “Rangers of the New Republic”, que tudo indicava ser centrado em Cara Dune, a ex-soldado rebelde que havia se tornado delegada na fronteira da Nova República. De todo modo, a Lucasfilm ainda não anunciou personagens e elenco desta atração.

Mas Cara Dune, de Carano, não fará parte da produção. Na verdade, a atriz terá dificuldades para aparecer em qualquer outro papel, pois até sua agência de talentos, a UTA, a dispensou como cliente.

A gota d’água foi um post em que a ex-lutadora de MMA comparou os republicanos, como ela, aos judeus perseguidos na Alemanha nazista.

“Os judeus foram espancados nas ruas, não por soldados nazistas, mas por seus vizinhos … até por crianças. Como a história é editada, a maioria das pessoas hoje não percebe que, para chegar ao ponto em que os soldados nazistas puderam facilmente prender milhares de judeus, o governo primeiro fez com que seus próprios vizinhos os odiassem simplesmente por serem judeus. Como isso é diferente de odiar alguém por suas opiniões políticas?”, ela escreveu, acrescentando uma foto do Holocausto.

Em outra postagem em seu Stories, Carano publicou uma foto de uma pessoa com várias máscaras de pano cobrindo todo o rosto e a cabeça. A legenda dizia: “Enquanto isso na Califórnia”…

Embora esses posts tenham disparado a hashtag #FireGinaCarano no Twitter, com muitos usuários marcando a Lucasfilm e a Disney em suas postagens, a dispensa da atriz aconteceu pelo acúmulo.

Ela passou toda a pandemia atacando o fechamento do comércio e a eficácia das máscaras, chamando as medidas de proteção de tentativas de opressão. Mais recentemente, encampou as teorias de conspiração que afirmam que a recente eleição presidencial foi fraudada. Também afirmou que não existia racismo nos EUA, apenas gente de extrema esquerda, e zombou de transexuais que mudam seus pronomes ao realizar a transição de sexo.

Para seu azar, nesta semana seu colega de série, Pedro Pascal, o próprio Mandaloriano, publicou um post de apoio a sua irmã Lux Pascal após a transição sexual dela. O contraste não passou despercebido.

Embora muitas das postagens de Carano tenham sido relevadas pela Lucasfilm, os comentários que minimizaram o Holocausto foram considerados abomináveis e a produtora finalmente teria ido conferir o histórico da atriz. A decisão de dispensá-la levou em conta o dano que ela causaria ao ter suas posições radicais associadas à série que é carro-chefe da Disney+ (Disney Plus).

blank