Divulgação/Globo

Marcius Melhem entra na justiça contra Dani Calabresa e advogada de vítimas de assédio

O ator e ex-diretor da Globo Marcius Melhem anunciou que entrou com uma ação na Justiça contra a advogada Mayra Cotta, que representa seis mulheres que o acusam de assédio sexual, para que ela prove as denúncias. Durante uma entrevista para o colunista Mauricio Stycer e a editora do Universa, Dolores Orosco, ele também informou que fará uma interpelação judicial a Dani Calabresa, pedindo que ela confirme ou desminta relatos de assédio que teria sofrido, revelados em reportagem da revista Piauí publicada na sexta (4/12).

“Eu e ela [Calabresa] sabemos que aquilo não aconteceu”, diz, aludindo a um trecho mais forte da reportagem, em que ele teria tirado o pênis para fora e avançado sobre a atriz. “Eu tenho, assim como ela tem, toda a comunicação que tivemos em todos esses anos”, afirma. “Uma semana depois daquela festa, que eu teria feito aquilo, aquele absurdo, a Dani me convida para ir à Disney, eu e minhas filhas”.

Na entrevista, publicada neste sábado (5/12), ele reconhece ter cometido vários erros ao se relacionar com mulheres com quem trabalhou na Globo. “Fui um homem tóxico, um marido péssimo, uma pessoa que cometeu excessos ao se relacionar com pessoas do seu próprio ambiente de trabalho”, admite.

Entretanto, nega ter cometido violência sexual: “Embora confesse os meus excessos, eu jamais tive alguma relação que não fosse consensual e jamais pratiquei algum ato de violência com quem quer que seja na minha vida”. Por isso, decidiu combater as supostas mentiras ditas a seu respeito. E afirma dispor de provas, como as citadas trocas de mensagens. “Sou a pessoa mais interessada que tudo seja esclarecido”.

As acusações contra Melhem vieram à tona em dezembro de 2019. A Globo fez duas investigações sobre o caso no início deste ano, que não resultaram em nenhuma condenação formal ao comediante. Mas Melhem se afastou em seguida. Ele tirou licença em abril, para acompanhar o tratamento médico de uma filha, e acabou deixando a Globo em agosto, após 17 anos. Em nota divulgada na ocasião, a emissora não mencionou a investigação por assédio. Ao contrário, o elogiou, dizendo que Melhem, que dirigiu o Departamento de Humor da emissora, deu “importante contribuição para a renovação do humor nas diversas plataformas da empresa”.

A situação ganhou novo enfoque em outubro, após a jornalista Mônica Bergamo realizar uma entrevista na Folha de S. Paulo com a advogada Mayra Cotta, representante de 12 mulheres (seis vítimas de assédio sexual e seis testemunhas) que acusam Melhem.

Na sexta, o repórter João Batista Jr., na Piauí, informou que conversou “com duas vítimas de assédio sexual, sete vítimas de assédio moral e três vítimas dos dois tipos de assédio, o sexual e o moral”. Em seguida, Mayra Cotta, advogada das vítimas, comentou a seriedade das denúncias. “A meu ver, como advogada, o que está descrito na matéria vai além do assédio sexual. É uma tentativa de estupro”, opinou.

A reportagem da Piauí também atinge, além de Melhem, diferentes instâncias da Globo que lidaram com o caso, encerrando o assunto com um suposto acobertamento.

Melhem chefiou a área de humor da Globo nos últimos anos, sendo responsável pela criação de programas como “Zorra”, “Tá no Ar” e “Fora de Hora”, além do quadro “Isso a Globo Não Mostra”, exibido no Fantástico. Mais recentemente, também foi responsável pela “Escolinha do Professor Raimundo”. Após seu afastamento, todos estes programas foram cancelados.

Sobre acusações de assédio moral dentro da Globo, Melhem diz que seu erro foi não ter estabelecido distância dos seus subordinados, mas tratado a todos como se todos fossem amigos íntimos. “Hoje eu vejo o erro disso”, diz. “Mas nunca inibi, coagi, demiti, persegui. Isso não existe. Não existe um relato de ‘se você não fizer isso, eu não te dou aquilo’. Isso não existe”.

Ele se vê como vítima de algum tipo de vingança. “Eu acredito que tenham pessoas que eu genuinamente feri, que genuinamente eu magoei. Que eu gostaria muito de saber quem são. E se isso aconteceu, realmente, que eu acredito que aconteceu, me desculpar, reparar e assumir responsabilidade”, afirma. “Mas existem neste grupo processos de vingança contra mim”.