Divulgação/NBC

L.A. Law vai ganhar continuação com ator original

Um dos dramas jurídicos mais famosos da televisão americana pode ganhar continuação. A rede ABC encomendou o piloto de uma nova encarnação de “LA Law”, fenômeno de público e crítica da década de 1980, que venceu nada menos que quatro Emmys de Melhor Série de Drama.

Ao todo, a série original, criada por Steven Bochco, faturou 15 prêmios Emmy durante seu auge. A trama girava em torno dos funcionários de um poderoso escritório de advocacia de Los Angeles, mostrando os casos que defendiam e também suas vidas fora do trabalho, com ênfase para as competições entre os advogados dentro da própria firma.

Há três anos, a Fox recusou o projeto de um remake da atração, escrito pelo próprio Bochco. Agora o projeto se apresenta como uma continuação, centrada num dos personagens dos anos 1980. Blair Underwood vai reprisar seu papel como advogado Jonathan Rollins e também participará do projeto como produtor executivo.

Na trama, o escritório de advocacia McKenzie Brackman será reinventado como um escritório de litígio especializado apenas nos casos mais importantes e incendiários, que desafiam limites legais. Nesta versão, Rollins deixou de ser idealista para se mostrar mais conservador, ao entrar em conflito com uma geração mais jovem para decidir o melhor caminho para a empresa, em meio às mudanças políticas e jurídicas dos dias atuais.

Embora o foco seja numa nova geração de advogados, outros membros do elenco original provavelmente farão aparições se a série for aprovada.

O piloto está sendo desenvolvido pelo produtor-roteirista Marc Guggenheim (cocriador de “Arrow”) e sua parceira Ubah Mohamed (roteirista de “Arrow”) e terá direção de Anthony Hemingway (“Esquadrão Red Tails”).

O projeto tem a benção do filho de Bochco, o diretor e produtor de TV Jesse Bochco, e da viúva do falecido produtor, Dayna Bochco. Os dois terão créditos na produção, por meio de sua empresa, Steven Bochco Productions.

A “LA Law” original durou oito temporadas na NBC, de 1986 a 1994, e ainda rendeu um filme de reunião em 2002. Muitos dos casos apresentados no programa tratavam de questões polêmicas, como pena de morte, aborto, racismo, homofobia, assédio sexual, HIV e violência doméstica. Underwood juntou-se ao elenco na 2ª temporada e permaneceu no programa até o final, ganhando uma indicação ao Globo de Ouro por seu papel.