Instagram/Giovanna Ewbank

Justiça condena novamente maternidade que privilegiou Gagliasso e Ewbank

A maternidade onde Giovanna Ewbank deu à luz Zyan, seu filho com Bruno Gagliasso, voltou a ser condenada pela Justiça do Rio de Janeiro por danos morais. Ela terá que indenizar um segundo casal por ter proibido que um fotógrafo registrasse o parto de seu filho durante a quarentena, ao mesmo tempo em que permitiu que Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank fossem acompanhados de um profissional.

A sentença foi assinada no 8º Juizado Especial Cível do Rio de Janeiro e destacou o tratamento desigual aos pais e o “sentimento de frustração, revolta e diminuição” dos anônimos. O casal receberá R$ 41,8 mil.

Há dois meses, a Clínica Perinatal já havia sofrido uma condenação no processo de outro casal, com a quantia similar estabelecida como indenização – R$ 40.000.

No novo processo, segundo o blog Migalhas, especializado em notícias jurídicas, os documentos apresentados pelo advogado do novo casal também comprovaram que a maternidade admitiu ter aberto exceção a um casal famoso. Com isso, foi confirmado que houve tratamento diferenciado entre os casais que fizeram parto na maternidade.

Por protocolos de segurança, nos primeiros meses de pandemia, a maternidade informava que casais não seriam autorizados a ter acompanhantes nem profissionais de fotografia na sala de parto, devido ao coronavírus. Porém, Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso, dois dias depois do nascimento do bebê, em julho, usaram as redes sociais para mostrar os primeiros registros do filho. Outras mães logo se pronunciaram na internet cobrando isonomia da maternidade Perinatal.

Veja abaixo o post com as fotos da polêmica.