Instagram/Camerimage

Johnny Depp tenta apelar novamente da sentença de “espancador de esposa”

O ator Johnny Depp está tentando recorrer novamente do veredito que julgou seu caso por difamação contra o jornal britânico The Sun. Em novembro, o juiz Andrew Nicol, do Supremo Tribunal de Londres, considerou que o tabloide tinha razão ao chamá-lo de “espancador de esposa”, após ouvir testemunhos e examinar evidências que o apresentaram como um marido violento de sua ex-esposa Amber Heard.

Johnny Depp pediu permissão para recorrer, como exige o sistema judicial britânico, mas o juiz que havia decidido contra ele recusou, alegando que não havia “uma perspectiva razoável de sucesso” na apelação.

Desta forma, o ator decidiu recorrer diretamente ao Tribunal de Apelação, segundo documentos judiciais do processo, de acesso público.

Este tribunal agora anunciará se permite ou não um segundo julgamento.

O julgamento original durou três semanas de julho no Supremo Tribunal de Londres, na presença do ator de 57 anos e sua ex-esposa Amber Heard, de 34, além da advogada de defesa do jornal e seu editor. Em seu veredito, o juiz considerou que as afirmações do jornal eram “substancialmente verdadeiras” porque “a grande maioria das supostas agressões foi comprovada”.

Além de perder a causa, Johnny Depp foi ordenado a pagar cerca de 628 mil libras (aproximadamente R$ 4,3 milhões) ao The Sun para cobrir as despesas jurídicas do jornal com o processo.

Sem nenhum outro projeto cinematográfico alinhado, o único trabalho previsto de Depp é a divulgação de seu último papel em “Minamata”, que ele completou no ano passado. Mas esse lançamento pode ser engavetado.

Não satisfeito em chamar atenção com o julgamento negativo, numa ação que ele próprio iniciou, Depp decidiu se sabotar também quando poderia aproveitar aplausos. Ao receber um prêmio especial por suas realizações do Camerimage, ele concordou em aparecer remotamente dos EUA no festival polonês. A presença virtual foi divulgada na imprensa e o festival agendou a exibição de “Minamata” para encerrar o evento. Mas durante a transmissão do evento, Depp não se materializou nas telas. Em vez disso, enviou uma foto bizarra de si mesmo – com a camisa aberta e o cabelo loiro platinado sob bandanas coloridas – aparentando estar atrás das grades em uma prisão caribenha (veja acima), como se cumprisse pena por um crime que não levava muito a sério. Ao ver a imagem, a MGM cancelou a exibição de “Minamata” no festival.

Sem mais trabalhos, seu próximo compromisso, no começo de 2021, será estrelar outro processo judicial, agora num tribunal no estado americano da Virgínia, onde o ator entrou com uma ação contra Amber Heard, querendo uma indenização de US$ 50 milhões por uma coluna no jornal Washington Post em que ela escreveu sobre violência doméstica – sem citar o ex-marido. Depois desta ação, tem ainda uma sequência, aberta pela atriz, que por sua vez decidiu processar Depp pela campanha difamatória que ele move contra ela, pedindo US$ 100 milhões de indenização.