Divulgação/Disney

Disney anuncia nova leva de demissões e elimina centenas de vagas

A Disney anunciou mais demissões, impactando mais de 50 funcionários no grupo de marketing do estúdio, a divisão teatral com sede em Nova York e a Searchlight Pictures, além de de 300 empregados da ESPN. Várias centenas de posições abertas também foram eliminadas.

Seis pessoas da Searchlight Pictures, o selo independente que já foi propriedade da Fox, estão entre os demitidos desta quinta-feira (5/11), formando o menor grupo atingido. Já o maior impacto atingiu o canal pago ESPN, que teve 500 cargos eliminados, por meio da demissão de 300 funcionários e fechamento de 200 vagas não preenchidas.

Os cortes na ESPN aconteceram pela falta de programação esportiva durante a pandemia e também para liberar recursos para os departamentos de streaming, visando fortalecer a plataforma digital derivada do canal esportivo.

Embora nenhuma empresa de entretenimento tenha escapado ilesa da pandemia, o vasto império da Disney foi atingido de maneira particularmente forte pelo coronavírus.

Os parques temáticos da Flórida foram reabertos, no entanto, locais na Califórnia ainda não reabriram e Paris foi forçada a fechar novamente.

Além disso, sua divisão teatral foi prejudicada pelo prolongado fechamento da Broadway. E sucessos de bilheteria em potencial como “Viúva Negra” e “Os Eternos” da Marvel foram empurrados para 2021 e além, enquanto outros títulos, como “Mulan” e a animação “Soul” foram redirecionados para a Disney+.

A recém-lançada plataforma de streaming acabou se tornando um dos poucos pontos brilhantes do conglomerado, graças a sucessos como “Hamilton” e “The Mandalorian”.

A transição para o streaming é um processo pelo qual também estão passando as demais empresas do setor, como WarnerMedia, ViacomCBS e NBCUniversal. Por outro lado, a Sony, precipitadamente, desfez-se da plataforma que já tinha lançado, a Crackle, no ano passado, e se encontra numa posição de desvantagem durante a pandemia.