Divulgação/Sony Pictures

Processo de Johnny Depp aponta mentiras de Amber Heard e do jornal The Sun

O desfile de testemunhas de Johnny Depp no processo por difamação contra o jornal The Sun chegou ao fim nesta sexta (17/7), com depoimentos que apontam mentiras ditas por Amber Heard e/ou publicadas pelo tabloide britânico.

O caso específico do jornal foi abordado num depoimento por escrito de uma ativista do #MeToo, que alega não ter feito as afirmações usadas no artigo de abril de 2018 em que o ator foi chamado de “espancador de esposa”.

O texto do Sun citou a frase “parece que Amber se machucou” dita por Katherine Kendall, atriz e ativista que também diz ter sido agredida por Harvey Weinstein. Mas ela alegou, no documento lido no tribunal, que foi “mal citada e usada” pelo tabloide para passar a imagem de que Johnny Depp agredia fisicamente sua ex-esposa, Amber Heard.

O artigo afirmava que havia uma reação dos ativistas do #MeToo contra a autora J.K. Rowling por ela defender seu “amigo famoso” Depp, escalado no filme “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” (2018). O texto usava a frase de Katherine Kendall para ilustrar as críticas e condenar o ator.

Em sua declaração, Kendall disse que falou em abril de 2018 com uma mulher que mais tarde soube ser repórter da Sun, mas teria sido “completamente mal citada e usada pelo The Sun para atingir seu objetivo”.

“Embora seja verdade que eu era vítima de Harvey Weinstein, o resto era uma mentira”, disse Kendall. “Eu não estava ‘indo a público’ em nome do #MeToo ou de mim mesma para criticar a decisão de J.K. Rowling de escalar Depp, nem acusei Depp de machucar Amber Heard, sobre o que não tenho conhecimento em primeira mão.”

Kendall também disse que ouviu “várias vezes” que Heard era quem tinha comportamento abusivo contra Depp.

Depp, de 57 anos, e Heard, 34 anos, se conheceram durante as filmagens de “Diário de um Jornalista Bêbado” (2011) e se casaram em Los Angeles em fevereiro de 2015. Heard pediu o divórcio no ano seguinte e a separação foi finalizada em 2017. Ela doou todo o dinheiro recebido no divórcio para organizações sociais.

A defesa do Sun baseia-se em 14 alegações feitas por Heard sobre violência cometida por Depp entre 2013 e 2016, em locais que incluem sua ilha particular nas Bahamas, uma casa alugada na Austrália e a cobertura do casal no centro de Los Angeles.

O ator nega todas as acusações e afirma que Heard foi a agressora durante seu relacionamento volátil, que ele comparou a “uma cena de crime esperando para acontecer”.

Em nove dias de depoimento no Tribunal Superior de Londres, o juiz Andrew Nicol ouviu Depp e vários funcionários atuais e antigos que corroboraram sua versão dos fatos.

Um dos seguranças de Depp, Travis McGivern, disse nesta sexta-feira que Heard cuspiu no ator e jogou uma lata de bebida energética contra ele durante uma briga na cobertura do casal em Los Angeles, em março de 2015.

Heard alega que Depp a golpeou e puxou o cabelo dela, mas McGivern disse que “isso não aconteceu e em nenhum momento o Sr. Depp bateu na sra. Heard”.

A ex-esposa e a ex-noiva de Depp, Vanessa Paradis e Winona Ryder, apresentaram declarações dizendo que não conseguiam visualizar as acusações de violência de Heard diante do homem amável e amoroso que conheciam.

Para completar o quadro, Alejandro Romero, um concierge do prédio de Los Angeles onde Depp e Heard moravam, testemunhou que o bilionário Elon Musk visitou Heard “regularmente tarde da noite” a partir de março de 2015, enquanto ela ainda era casada com Depp.

A atriz e o fundador da Tesla tiveram um relacionamento depois que ela e Depp se separaram. Mas Romero afirmou que, na verdade, eles estavam se vendo regularmente muito antes disso.

Amber Heard deve contar seu lado da história a partir de segunda-feira (20/7), quando começa a apresentação da defesa do jornal The Sun.