Remake de Candyman ganha animação que denuncia racismo como o verdadeiro terror

A cineasta Nia DaCosta (“Little Woods”) divulgou em seu Twitter uma animação que sintetiza o abuso racial por trás do terror “A Lenda de Candyman”, vindouro remake do clássico de 1992, que ela dirige para a Universal.

Além de mostrar a origem do monstro do título (imortalizado por Tony Todd), o vídeo também contextualiza a trama demonstrando qual é a fonte do verdadeiro terror: o racismo que os Estados Unidos e o mundo enfrentam atualmente, sintetizados pelo movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).

“’Candyman’, na intersecção entre violência branca e dor negra, é sobre mártires involuntários. As pessoas que elas eram, os símbolos em que os transformamos e os monstros que nos dizem que eles foram”, ela escreveu junto do vídeo. Veja abaixo.

O remake/reboot que tem produção do também cineasta Jordan Peele (“Corra!”) e traz o ator Yahya Abdul-Mateen (“Aquaman”, “Watchmen”) como protagonista, numa mudança de sexo em relação ao filme original de 1992, estrelado por Virginia Madsen. Além disso, há diferenças sociais. O novo filme retorna à vizinhança de Chicago onde a lenda se originou, mas o local é outro após 26 anos. Se antes era cheio de residências populares, hoje é tomado por famílias de classe média alta, que se mudaram para o bairro.

Para quem não lembra, a lenda do Candyman girava em torno de um filho de escravo que se tornou próspero depois de desenvolver um sistema para fabricar sapatos em massa durante a Guerra Civil.

Ele também se tornou conhecido como artista por seu talento como pintor de retratos. Depois de se apaixonar e ser pai de uma criança com uma mulher branca em 1890, o homem foi atacado por uma turba de linchamento contratada pelo pai de sua amada. Eles cortaram sua mão para que não pudesse mais pintar e a substituíram por um gancho. Depois, foi untado com mel roubado de um apiário, atraindo abelhas famintas que o picaram até a morte. Seu cadáver foi queimado e suas cinzas foram espalhadas pela área de Chicago onde sua aparição é mais forte.

Seu espírito vingativo aparece quando seu nome é dito cinco vezes no espelho, com consequências mortais.

A descrição do personagem, que lembra uma mistura da lenda urbana de Bloody Mary (ou da Loira do Banheiro) com a tortura sofrida pelo Negrinho do Pastoreio é, na verdade, baseada no conto “The Forbidden”, assinado pelo mestre do terror Clive Barker (“Hellraiser”).

Com direção e roteiro de Nia DaCosta, o novo “Candyman” tinha marcada para o fim de semana passado, mas devido à pandemia de coronavírus foi adiado para o final de setembro – 29 de setembro no Brasil.