Massacre racista de Tulsa inspira quatro projetos documentais na véspera de seu centenário

Quatro projetos de TV e documentários sobre massacre racista da comunidade negra de Tulsa, nos EUA, em 1921, estão sendo desenvolvidos para marcar o centenário do crime racial mais sangrento da história americana.

Em junho de 1921, uma multidão de brancos armados invadiu o bairro negro de Greenwood, em Tulsa, um dos mais ricos de todo o país, apelidado de Black Wall Street, e, com auxílio de artilharia aérea, executou cerca de 300 pessoas, entre homens, mulheres e crianças, deixando outras 800 feridas, além de incendiar e destruir suas casas e comércios.

Os jogadores de basquete LeBron James e Russell Westbrook, os cineastas Dream Hampton e Stanley Nelson e outros nomes estão envolvidos nas produções, segundo apurou a revista The Hollywood Reporter.

Ainda de acordo com a publicação, quando Ashleigh Di Tonto, vice-presidente de desenvolvimento do Trailblazer Studios, apresentou um projeto de minissérie documental sobre o massacre em abril passado, a ideia foi recebida com indiferença. Mas, após a morte de George Floyd e a onda de protestos antirracistas e a favor do movimento “Black Lives Matter”, o interesse pela produção mudou.

Spring Hill, a produtora de LeBron James, produzirá um documentário com a direção de Salima Koroma (“Bad Rap”). A cineasta Dream Hampton (“Surviving R. Kelly”) está planejando uma minissérie chamada “Black Wall Street” com a Cineflix Productions. Já Russell Westbrook, outro astro da NBA, fez uma parceria com a produtora Blackfin para um documentário nomeado “Terror in Tulsa: The Rise and Fall of Black Wall Street”, com direção de Stanley Nelson (“Os Panteras Negras: Vanguarda da Revolução”).

Cada um desses projetos almeja retratar o passado para causar reflexões sobre o tema no presente. Isto foi realizado recentemente pela ficção, por meio da série “Watchmen”, da HBO, criada por Damon Lindelof (“The Leftovers”).

O massacre de Tulsa também voltou recentemente a virar notícia pela decisão do presidente Trump de iniciar sua campanha pela reeleição com um discurso no local, que aconteceria na sexta-feira (19/9), dia em que os americanos comemoram o fim da escravidão. A coincidência de data e local causou repúdio generalizado, levando o comitê de Trump a adiar o discurso para o sábado.

Confira abaixo a cena de “Watchmen” que recriou o massacre no ano passado.