Divulgação/AMPAS

Academia anuncia mudanças de impacto para o Oscar 2022

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos EUA, que organiza anualmente o Oscar, anunciou nesta sexta (12/6) algumas mudanças nas regras da premiação. A que chama mais atenção é a obrigação – por sinal, tardia – de indicar 10 títulos à disputa da categoria principal, de Melhor Filme. Mas só a partir de 2022.

Até então, a Academia permitia “de 5 a 10 indicados” a Melhor Filme todos os anos, dependendo da quantidade de votos que cada título recebe. O Oscar 2020, por exemplo, teve nove indicados na categoria, enquanto o de 2019 teve oito.

As outras mudanças anunciadas buscam abordar o problema da diversidade entre os membros da Academia e os indicados ao Oscar. Pressionada em 2016 com a campanha #OscarSoWhite, que denunciava a falta de negros indicados ao Oscar, a Academia já vinha promovendo várias mudanças, que devem ser aceleradas após os protestos antirracistas tomarem conta dos EUA nas últimas semanas, repercutindo o assassinato de George Floyd e a ascensão do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).

Neste sentido, a Academia se juntou com o Sindicado dos Produtores de Hollywood (PGA, na sigla em inglês) para criar uma força-tarefa de líderes na indústria cinematográfica, que vão estabelecer padrões de representatividade e inclusão que serão exigidos a produções para que elas possam concorrer ao Oscar.

Estas novas determinações serão reveladas em 31 de julho, e entrarão em efeito também para o Oscar 2022.

A Academia ainda anunciou que vai promover painéis e discussões sobre raça, e oferecer cursos contra o racismo para todos os membros da organização.