Hayao Miyazaki abandona aposentadoria para fazer animação à mão, um minuto por mês

Apesar de ter anunciado sua aposentadoria em 2013, Hayao Miyazaki, o cineasta japonês responsável por clássicos da animação como “Princesa Mononoke” e “A Viagem de Chihiro” (vencedor do Oscar em 2003), está trabalhando há três anos num novo filme. O projeto veio à tona em 2017. Mesmo assim, não deve ficar pronto tão cedo.

Toshio Suzuki, produtor do Studio Ghibli, revelou para a revista americana Entertainment Weekly que Miyazaki está trabalhando em um longa animado totalmente feito à mão, de longo processo de produção.

“Quando fizemos ‘Meu Amigo Totoro’ [em 1988], tínhamos só oito animadores trabalhando nele, e demoramos oito meses para completar o filme todo. Agora, temos 60 pessoas, e só conseguimos fazer um minuto por mês”, contou ainda.

“Isso significa que fazemos 12 minutos por ano. Já estamos nessa produção há três anos, então temos 36 minutos completos. Esperamos finalizar o filme todo nos próximos três anos”, disse.

Um dos motivos para a demora é que, “além de fazer tudo à mão, Miyazaki decidiu que quer desenhar mais frames, para a animação parecer mais fluida”, explicou o produtor da obra.

O título do novo filme do cineasta de 79 anos é “Kimi-tachi wa Dou Ikiru ka?” (Como Você Vive?).

Suzuki acrescentou que o longa trará um retorno de Miyazaki a histórias “grandes e fantasiosas”, como as de seus filmes mais famosos. Em suas últimas obras, como “Ponyo” (2008) e “Vidas ao Vento” (2013), o cineasta havia escolhido um tom mais intimistas.

“Quando ele disse que queria sair da aposentadoria, nós pensamos: ‘O que ele pode fazer que não fez ainda? O que falta para ele alcançar na carreira?'”, contou. “Uma das respostas foi dar mais dinheiro e mais tempo para ele fazer o filme da forma como quisesse, sem restrições de orçamento ou prazo de entrega”, explicou.

O último longa concluído por Miyazaki foi “Vidas ao Vento”, em 2013.