Diretor vencedor do Festival de Berlim é condenado à prisão no Irã

O Irã resolveu comemorar a vitória de “There Is No Evil” no Festival de Berlim, no fim de semana passado, de forma característica dos regimes autoritários. O diretor Mohammad Rasoulof, premiado com o Urso de Ouro, recebeu ordem de prisão.

Rasoulof estava proibido de filmar e com mobilidade restrita. Tanto que não pôde viajar a Berlim para participar do festival. Na premiação, foi representado por sua filha, Baran Rasoulof, que atua em “There Is No Evil”.

O Urso de Ouro não foi sua primeira consagração internacional. Em 2011, ele foi considerado o Melhor Diretor do Festival de Cannes pelo filme “Goodbye”. Mas esta vitória lhe rendeu uma condenação de prisão domiciliar e a proibição de filmar por 20 anos por fazer “propaganda anti-regime”.

A nova sentença da justiça iraniana é mais dura, pois troca sua prisão domiciliar por pena na cadeia. Ele foi condenado a um ano de prisão em regime fechado, segundo informaram seus advogados à imprensa internacional.

Rasoulof não se entregará às autoridades e recorrerá da ordem, especialmente devido ao atual surto de coronavírus no Irã, disseram os advogados. As autoridades já enviaram 54 mil presos para casa temporariamente, em uma tentativa de impedir que o vírus se espalhasse pelo sistema penal do país.

Até o momento, não houve nenhuma notificação oficial da mídia estatal sobre a condenação de Rasoulof, nem nenhum comentário das autoridades judiciais do país.

Considerado um dos maiores diretores iranianos da atualidade, Rasoulof é também um dos mais censurados. Ele jamais teve seus filmes exibidos em seu país.