Ator de Warcraft vai estrelar a série dos quadrinhos de Y: O Último Homem

O ator Ben Schnetzer, que participou de “A Menina que Roubava Livros” (2013), “Warcraft” (2016) e “7 Dias em Entebbe” (2018), vai estrelar a série baseada nos quadrinhos de “Y: O Último Homem” (Y: The Last Man).

Ele foi anunciado no papel-título, no lugar de Barry Keoghan (“Dunkirk”), que desistiu da produção no mês passado, e vai se juntar a um elenco grandioso, que inclui Diane Lane (“Batman vs. Superman”), Imogen Poots (“Natal Sangrento”), Lashana Lynch (“Capitã Marvel”), Juliana Canfield (“Succession”), Marin Ireland (“O Irlandês”), Amber Tamblyn (“Two and a Half Men”), Timothy Hutton (“Almost Family”) e a macaca-prego Katie (da série “Friends”).

A produção está em desenvolvimento há cerca de cinco anos e chegou a ter uma foto oficial divulgada em fevereiro de 2019. Mas desde então tudo mudou.

O piloto não agradou e a série voltou à estaca zero com a saída dos responsáveis pela adaptação, Michael Green (“Logan”) e Aïda Mashaka Croal (“Luke Cage”), que se demitiram após uma crise criativa com a emissora.

No lugar deles, entrou Eliza Clark (produtora-roteirista de “The Killing” e “Animal Kingdom”), que encomendou mudanças no piloto dirigido por Melina Matsoukas (das séries “Insecure”, “Master of None” e de clipes premiados de Beyoncé e Rihanna), visando tirar da série elementos que causaram a crise com os showrunners anteriores. Entretanto, as mudanças levaram à desistência do protagonista, fazendo com que todo o primeiro episódio precise ser inteiramente regravado.

O material original, concebido por Brian K. Vaughan e Pia Guerra, é repleto de situações de potencial polêmico, que podem ser consideradas até inapropriadas para a TV. Mas não há declarações oficiais sobre o que teria sido excessivo a ponto de levar roteiristas conceituados como Green e Kroal a abandonar a produção.

A verdade é que a ideia de adaptar “Y” já tem mais de uma década, sem nunca conseguir sair do papel. A trama chegou a ser considerada como filme pela Warner e passou até pela HBO, que faz parte do mesmo conglomerado – assim como a DC Comics, editora dos quadrinhos originais – , mas jamais superou a fase inicial de desenvolvimento de roteiro, originando sua fama de ser arriscada demais.

Foi o próprio criador de “Y”, Brian K. Vaughan, quem trouxe o projeto para o FX há cinco anos, em parceria com o roteirista Michael Green. Mas o piloto só foi produzido em 2018 e apenas recentemente aprovado, com reservas. As reservas foram a razão do atrito.

Para quem não conhece, “Y: O Último Homem” é um dos quadrinhos mais cultuados do antigo selo adulto da DC, Vertigo, que venceu nada menos que cinco prêmios Eisner (o Oscar dos quadrinhos) e se tornou a primeira graphic novel (num de seus relançamentos como volume encadernado) a vencer o prêmio Hugo (o Oscar/Nobel da literatura sci-fi).

Ao longo de 60 edições, publicadas entre 2002 e 2008, Vaughan e a desenhista Pia Guerra contaram a história do jovem ilusionista Yorick Brown, sobrevivente de uma praga que extinguiu toda a população de machos da Terra. Ele e seu macaco Ampersand são as únicas exceções. Quando grupos de mulheres mal-intencionadas descobrem que ele é o último homem da terra, passam a caçá-lo de todas as formas possíveis. Mas ele também encontra aliadas em sua jornada, que veem em sua sobrevivência uma chance de encontrar uma cura que permita o nascimento de novos homens e, assim, impedir a extinção da humanidade.

O projeto é a segunda criação de Vaughan a virar série. Ele também criou os quadrinhos dos “Fugitivos” (Runaways), que renderam três temporadas na plataforma Hulu.

A adaptação do FX deve ser chamada apenas de “Y” e ainda não tem previsão de estreia.