AJ and the Queen: Netflix cancela série criada e estrelada por RuPaul

A Netflix cancelou a série “AJ and the Queen”, criada e estrelada por RuPaul (“RuPaul’s Drag Race”), após uma temporada. Como a Netflix nunca fala de seus fracassos, o anúncio foi feito pelo próprio RuPaul em seu Twitter.

“Fim do caminho para ‘AJ and the Queen’, já que a Netflix decidiu não estender nossa viagem por toda a América. Obrigado pelo amor e pelo apoio. Estamos muito orgulhosos do trabalho”, escreveu RuPaul.

O cancelamento aconteceu cerca de dois meses após a estreia da séria de dez episódios na plataforma de streaming, que aconteceu em 10 de janeiro.

Foi a primeira vez que RuPaul protagonizou uma série, depois de inúmeros aparições como convidado em atrações como “Girl Boss” e “Grace & Frankie”, ambas também na Netflix.

Uma das drag queens mais famosas do mundo, o apresentador do programa “RuPaul’s Drag Race” dá vida a Ruby Red, uma exuberante drag queen que precisa desistir da aposentadoria, após ter todo o seu dinheiro roubado por um amante, embarcando numa turnê pelos Estados Unidos.

Nessa jornada, ele se torna babá relutante de AJ, uma menina órfã de 11 anos, conversadora e descolada, que escolhe Ruby como seu adulto responsável. Este par pouco convencional viaja de cidade em cidade, compartilha uma mensagem de amor e aceitação, além de muito humor ferino.

O papel de AJ era vivido por Izzy G. (Izzy Gaspersz), vista no ano passado em outro lançamento da Netflix, o filme “Estrada sem Lei”, e ela realmente tinha 11 anos de idade.

Descrita como uma mistura de “Priscilla, A Rainha do Deserto” (1994) e a série “O Toque de um Anjo” (1994–2003), a produção foi criada pelo próprio RuPaul em parceria com o produtor-roteirista Michael Patrick King (criador de “2 Broke Girls”), e contava ainda com a participação de mais de 20 drag queens que participaram em “RuPaul’s Drag Race”, representando as diversas performers que AJ e Ruby encontram ao longo da sua tour. Ente elas, estão diversas das mais populares ex-concorrentes do programa, como Bianca del Rio, Katya, Valentina. Miss Vanjie, Chad Michaels e Latrice Royal.

Outra curiosidade era a participação da sumida Tia Carrere, atriz havaiana que fez sucesso nos anos 1990, graças à comédia “Quanto Mais Idiota Melhor” (1992), ao thriller “True Lies” (1994), à série “Caçadora de Relíquias” (Relic Hunters, de 1999) e até ao game “The Daedalus Encounter” (1995).