Onisciente: Netflix cria polêmica ao lançar nova série brasileira sem divulgação


A Netflix lançou a série brasileira “Onisciente”, nova atração de Pedro Aguilera, o criador de “3%”, sem fazer alarde. A plataforma não divulgou trailer em suas redes sociais, incluindo o YouTube, não acionou o mailing de imprensa para lembrar da estreia nem destacou o lançamento desta quinta (29/1) no evento grandioso que realizou em São Paulo até quarta (28/1) para promover, vejam só, sua programação nacional. O que se pode deduzir disso?

As informações da série foram disponibilizadas em páginas específicas da produção e de “3%” nas redes sociais. Quem conseguir encontrar a conta oficial no Instagram, verá só um trailer, sem descrições. As páginas do Facebook e do Twitter trazem, além do trailer, algumas imagens e tentam engajamento com o público, que não existe, porque ninguém foi informado sobre esses endereços.

Os poucos que assistiram estão elogiando muito. Mas também há reclamações… contra a Netflix. O próprio perfil oficial da série no Twitter começou a retuitar as queixas, transformando a omissão em polêmica. “Não é possível a Netflix Brasil ficar tão calada com essa aclamação”, escreveu uma usuária. “O silêncio do Brasil sobre ‘Onisciente’ é ensurdecedor. Só assistam!!!!!!”, acrescentou outra.

Com clima de suspense e ambientação futurista, “Oniscente” está mais para “Black Mirror” que “3%”.

A série se passa em um futuro próximo, onde cada cidadão é seguido constantemente por um pequeno (e quase imperceptível) drone. A máquina alimenta um supercomputador com dados, aos quais ninguém tem acesso. Mas, graças a essa vigilância, as taxas de criminalidade são quase zero, uma vez que os criminosos sabem com certeza que serão capturados.

O Sistema Onisciente parece perfeito, até que uma jovem chamada Nina descobre uma falha: o assassinato de seu pai não foi relatado pelo Sistema. Agora, cabe a ela descobrir o que o sistema está tentando esconder.



Além de roteiros e produção de Pedro Aguilera, a atração destaca as participações de Isabel Valiante (“Psi”) e Julia Jordão (“O Negócio”) como diretoras dos episódios e o elenco formado por Carla Salle (“Os Dias Eram Assim”), Jonathan Haagensen (“Cidade de Deus”), Luana Tanaka (“3%”), Guilherme Prates (“Motorrad”), Sandra Corveloni (“Linha de Passe”) e Marcello Airoldi (“Flores Raras”)..

São, ao todo, seis episódios na 1ª e provavelmente única temporada, já que a falta de vontade de divulgar só pode resultar em cancelamento.

Veja abaixo o trailer disponibilizado no Facebook e o pôster da série.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings