Power Rangers: Criador de The End of the F—ing World vai dirigir novo filme da franquia

A Paramount vai fazer um novo reboot de “Power Rangers” e negocia com Jonathan Entwistle, criador da série “The End of the F—ing World”, para dirigir a produção.

Os Power Rangers foram apresentados ao público em 1993 numa série de TV, que originalmente usava imagens de um programa infantil japonês, adaptada com heróis americanos. Teve tanta audiência que até hoje continua sendo produzida, com troca de título a cada nova temporada, mantendo a premissa de jovens comuns que “morfam” (se transformam) em super-heróis coloridos para enfrentar invasores alienígenas.

O sucesso, porém, não se estendeu aos cinemas. Quase ninguém lembra do primeiro filme, lançado em 1995. E, apesar de juntar um elenco talentoso (a “pantera” Naomi Scott, o “stranger things” Dacre Montgomery, etc), o reboot de 2017 foi um fracasso de bilheteria. Orçado em US$ 100 milhões, rendeu apenas US$ 142 milhões em todo o mundo. O buraco foi tão grande que o criador da franquia, Haim Saban, vendeu os direitos dos personagens para a Hasbro.

A fabricante de brinquedos criou uma produtora de cinema e se associou a Paramount para realizar a nova adaptação, que pretende reiniciar a franquia mais uma vez, com roteiro de Patrick Burleigh (do vindouro “Pedro Coelho 2: O Fugitivo”).

Segundo apurou a revista The Hollywood Reporter, a história envolveria viagem no tempo. Os Rangers voltariam aos anos 1990 e, como em “De Volta para o Futuro”, precisariam encontrar uma maneira de voltar ao presente.

Podem nos chamar de cínicos, mas foi um filme de viagem no tempo, “Projeto Almanaque” (2015), que qualificou o cineasta indie Dean Israelite para dirigir o “Power Rangers” de 2017.

Jonathan Entwistle também é uma opção curiosa, já que “The End of the F—ing World” e seu próximo programa na Netflix, “I’m Not Okay With This”, projetam um espírito de inconformismo e rebelião juvenil que é basicamente o extremo oposto do que se imagina para uma produção “careta” como “Power Rangers” e os filmes de brinquedos da Hasbro. Para completar, ele nunca dirigiu um longa-metragem.