Mulher-Maravilha 1984: Volta de Steve Trevor e anos 1980 são importantes para a trama

A participação da diretora Patty Jenkins e da atriz Gal Gadot na CCXP 2019 ajudou a esclarecer alguns pontos de “Mulher-Maravilha 1984”, que ainda estão envoltos em mistério.

O principal deles foi a participação de Steve Trevor, o personagem de Chris Pine, que morreu no final do primeiro filme. Como mostrou o trailer recém-liberado, sua volta acontece por mágica. Literalmente. Mas embora Jenkins não queira aprofundar como isso se dá na trama, ela afirmou que a presença de Trevor não é gratuita.

“Eu não posso dizer [como ele voltou], mas não colocamos Steve Trevor nesse filme apenas porque queríamos colocar Steve Trevor nesse filme”, explicou a cineasta. “Quando pensamos na história, enquanto ainda estávamos fazendo o primeiro filme, tivemos um momento “eureka” que não poderia ter sido contado sem que Chris Pine interpretasse Steve Trevor. Então, eu prometo a vocês que não é um truque, é uma parte integral da história. Foi incrivelmente importante que tivéssemos o personagem e gostamos muito do resultado, porque foi ótimo ter Chris de volta, mas também porque é importante para a história, que mal posso esperar que vocês vejam.”

Jenkins também adiantou alguns detalhes sobre Barbara Minerva, a Mulher-Leopardo, que é vivida no filme por Kristen Wiig. Um vídeo exclusivo do evento mostrou a personagem lutando contra Mulher-Maravilha, mas o trailer a apresentou como uma amiga de Diana.

Segundo a cineasta, a personagem se encaixa no “espectro de amiga meiga e doce de Diana”, mas vai ao extremo oposto quando se torna uma vilã.

Falando sobre o visual de Wiig no filme, Jenkins afirmou que a Mulher-Leopardo foi criada com a ajuda de computação gráfica. Talvez por isso, ela não tenha aparecido com o traje da vilã no trailer divulgado. O filme ainda está em fase de pós-produção.

A diretora ainda abordou a escolha dos anos 1980 como época em que se passa trama. “Por que 1984? Queríamos trazer Diana para o mundo moderno. Mas os anos 1980 são um período com o qual a Mulher Maravilha é bastante identificada. Então foi ótimo vê-la lá. Mas o mais importante é que a época representa o auge da civilização ocidental e da cultura de consumo. Então, eu estava curiosa para colidir nossa Mulher Maravilha com o sistema de crenças desse mundo moderno e ver que tipo de vilões poderia sair disso, ver o que acontece. A partir disso, tudo veio naturalmente.”

Vale lembrar que a metade dos anos 1980 representou uma grande bolha de consumo, com a chegada e multiplicação dos shopping centers, os vídeos em VHS, a moda e os modismos extravagantes e a geração yuppie, que fez fortuna no mercado de ações, antes que tudo isso implodisse em 1987, com uma grande crise financeira e um quebra-quebra generalizado em Wall Street.

1984 também foi, claro, título de um famoso livro de George Orwell sobre o futuro distópico da civilização, forçada a fazer sacrifícios, abrir mão de sua liberdade e se submeter à opressão estatal, em nome da luta contra um inimigo imaginário.

Já a relação da Mulher-Maravilha com o período se deve à telessérie estrelada por Lynda Carter, que na verdade foi exibida entre 1975 e 1979, mas permaneceu no ar por muitos anos depois disso no esquema de reprises.

As referências ficarão mais claras quando “Mulher-Maravilha 1984” chegar aos cinemas. A estreia está marcada para 4 de junho no Brasil, um dia antes do lançamento nos Estados Unidos.