Democratização do cinema no Brasil vira tema do ENEM



O tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2019 foi “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”. Segundo divulgado pelo INEP neste domingo (3/11), os candidatos deveriam elaborar um texto dissertativo de até 30 linhas sobre o assunto.

A escolha do tema foi considerado uma surpresa para os professores de cursinhos, mas a repercussão foi positiva, já que o cinema é algo com o que qualquer candidato pode relacionar com o seu dia a dia.

Chama atenção, nessa escolha, o fato de o governo brasileiro ter declarado guerra ao cinema no Brasil, via fim de apoios de estatais à eventos cinematográficos, colocando em risco a realização de festivais importantes. O Anima Mundo e o Festival do Rio precisaram recorrer a vaquinhas virtuais de financiamento coletivo para realizarem suas edições neste ano.

Além disso, o governo também limou o apoio financeiro à divulgação de filmes brasileiros no exterior, quer intervir na Ancine para decidir que filmes podem ou não podem ser feitos, e suspendeu edital de produções com temática LGBTQ+, numa atitude de confronto que fez o secretário de Cultura denunciar censura e pedir demissão.



As questões da prova já foram alvo de polêmicas com o atual presidente. No ano passado, já eleito, Jair Bolsonaro criticou uma pergunta que tratava do “dialeto secreto” utilizado por gays e travestis e disse que sua gestão no Ministério da Educação “não tratará de assuntos dessa forma”.

A questão à qual Bolsonaro se refere está no caderno de linguagens. Nela, o teste mostrou um texto sobre “pajubá, o dialeto secreto dos gays e travestis” e questionava o candidato quanto aos motivos que faziam a linguagem se caracterizar como “elemento de patrimônio linguístico”.

“Uma questão de prova que entra na dialética, na linguagem secreta de travesti, não tem nada a ver, não mede conhecimento nenhum. A não ser obrigar para que no futuro a garotada se interesse mais por esse assunto. Temos que fazer com que o Enem cobre conhecimentos úteis”, disse Bolsonaro na ocasião.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings