Adèle Haenel denuncia diretor que a assediu quando ela tinha 12 anos

A estrela francesa Adèle Haenel, vencedora do César (o Oscar francês) de Melhor Atriz por “Amor à Primeira Briga” (2014), acusou publicamente o diretor Christophe Ruggia (“Na Tormenta”) de assediá-la sexualmente aos 12 anos de idade.

Em uma extensa reportagem do site de jornalismo investigativo Mediapart, de Paris, a atriz afirmou que Ruggia começou a assediá-la quando ela foi escalada em seu primeiro filme, “Les Diables” (2002), que ele dirigiu. Haenel disse que os avanços ocorreram em várias ocasiões e continuaram até ela completar 15 anos. Ela completa a denúncia dizendo que não entrará em ação legal, pois acredita que “a justiça ignora” as vítimas em sua situação.

Em resposta, Ruggia enviou ao site francês uma declaração por meio de seus advogados, dizendo que “refuta categoricamente” qualquer má conduta. A declaração diz que o casal tinha um “relacionamento profissional e afetuoso” e chama a denúncia de “difamatória”.

Haenel afirma que os incidentes ocorreram entre 2001 e 2004, quando ela tinha entre 12 e 15 anos e o diretor já possuía entre 36 e 39 anos. Ela descreve a conduta do cineasta durante as filmagens e o lançamento subsequente de “Les Diables”, sua estréia no cinema, como “assédio sexual permanente”, incluindo os hábitos de Ruggia de “tocar nas suas coxas e no tronco” e fazer “beijos forçados no seu pescoço”. Ela também disse que incidentes mais sérios aconteceram no apartamento do diretor e quando ela viajou com a equipe do filme para festivais de cinema.

A atriz contou ter decidido trazer a denúncia a público depois de ver o documentário “Deixando Neverland”, da HBO, com acusações similares sobre Michael Jackson. Ela diz que seu objetivo é “expor o sistema de silêncio e cumplicidade que possibilita essa [conduta]”. “Não é queimar Christophe Ruggia… [mas] colocar o mundo de volta na direção certa… [para] que essa exploração de crianças e mulheres possa acabar”.

A investigação da Mediapart ocorreu durante seis meses e entrevistou mais de 30 pessoas ligadas a Haenel e Ruggia, incluindo a diretora do filme mais recente da atriz, “Retrato de uma Jovem em Chamas” (2019), Celine Sciamma, e o produtor Bertrand Faivre, que produziu o drama de Ruggia “Na Tormenta” (2011), que disse que não vai mais trabalhar com o diretor depois do que veio à tona.

A reportagem afirma que também obteve documentos que corroboram a acusação da atriz, que hoje tem 30 anos, incluindo cartas de amor enviadas pelo cineasta à então menor de idade.