Adèle Haenel decide registrar queixa criminal contra diretor que a assediou



A atriz francesa Adèle Haenel decidiu levar sua denúncia de assédio contra o diretor Christophe Ruggia (“Na Tormenta”) à polícia.

No começo do mês, Haenel contou ao site de jornalismo investigativo Mediapart que Ruggia a assediou após escalá-la em seu primeiro filme, “Les Diables” (2002), quando ela tinha 12 anos. A atriz afirmou que os avanços ocorreram em várias ocasiões e continuaram até ela completar 15 anos.

A vencedora do César (o Oscar francês) de Melhor Atriz por “Amor à Primeira Briga” (2014) disse ter decidido trazer a denúncia a público depois de ver o documentário “Deixando Neverland”, da HBO, com acusações similares sobre Michael Jackson. Mas informou que não entraria com queixa criminal, pois acreditava que “a justiça ignora” as vítimas em sua situação.

Ela recebeu apoio de várias personalidades da França, inclusive de integrantes do governo, como os ministros da Cultura, do Interior e da Justiça. Nicole Belloubet, ministra da Justiça, foi além e incentivou Haenel a formalizar uma acusação na polícia, porque os tempos mudaram.

Nesta terça (26/11), os advogados de Haenel confirmaram que ela foi a uma delegacia no subúrbio de Paris para registrar uma queixa formal.



A medida foi uma reversão de sua decisão inicial de não entrar com uma ação legal, e acontece após Ruggia ter sido expulso da Associação dos Diretores da França.

A atriz tem cartas românticas do diretor endereçadas a ela na época, quando era menor de idade. Além disso, a reportagem da Mediapart registrou a ex de Ruggia dizer que o cineasta tinha confessado que estava apaixonado pela jovem, e isso causou o fim de seu relacionamento.

Ruggia, por sua vez, enviou ao site francês uma declaração por meio de seus advogados, dizendo que “refuta categoricamente” qualquer má conduta. A declaração diz que o casal tinha um “relacionamento profissional e afetuoso” e chama a denúncia de “difamatória”.

O diretor também declarou ter sido o grande responsável pela carreira bem-sucedida de Haenel, por ter sido quem a descobriu. E esta declaração deixou a atriz especialmente indignada. Ela se disse “chocada por ele negar” e “mais chocada ainda com o fato de ele dizer que me descobriu, porque na verdade ele me destruiu”, registrou o Mediapart.

Adèle Haenel está atualmente em cartaz na França com o filme “Retrato de uma Jovem em Chamas”, de Céline Sciamma, que tem 98% de aprovação no Rotten Tomatoes e já venceu vários prêmios, inclusive no Festival de Cannes. A estreia comercial no Brasil está marcada para 9 de janeiro.


Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.



Back to site top
Change privacy settings